Pular para o conteúdo principal

Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley


Qualquer que fosse a surpresa de Admirável Mundo Novo o tempo encarregou-se de dissipar. Sim, as pessoas são dadas umas às outras e trocam de pares com a mesma frequência de que os personagens e os animais.

Sim, existe um “cinema sensorial” que com suas tramas grandiloquentes e maniqueístas substituem o prazer da leitura, e este coitado, o livro, virou peça de repugnâncias - (“Você aí com o livro nas mãos! Sai com as mãos na cabeça!”).

Sim, mães e pais perderam o valor como instituição e surgem como procriadores que parem e cedem o filho ao mundo, aproximando o ato de um novo significado para a expressão “dar à luz”.

Sim, os dirigentes têm conhecimentos das verdades, mas preferem as cartilhas criadas pelos departamentos de propaganda e, invariavelmente, punem quem pensa ou age diferente.

Sim, quem não gosta de um determinado esporte não é normal, assim como quem não tem a maior quantidade de experiências sexuais. Especialmente no Brasil.

Aldous Huxley é tão passado, que seria brochante não fosse o vigor do texto. As 250 páginas são lidas como metade disto, num fôlego só.

* * *

A trama?

Em um futuro onde a razão substituiu tudo, onde os bebês são produzidos em linhas de montagem para determinadas classes sociais, onde Ford substituiu Deus, onde a droga da alienação – o soma – é fornecida pelo Estado, temos o desenrolar de um pequeno drama que envolve pessoas que estão deslocadas neste novo mundo e que, se não prezam totalmente “os valores arcaicos”, sentem falta de parte deles.

Um casal em visita a uma Reserva – um gueto onde vivem os incivilizados – descobrem um ser fruto do mundo civilizado, mas criado ali. Ele não pertence a nenhum dos mundos, não se encaixa em lugar algum e é convencido a ir à Londres do ano 634 dF (depois de Ford).

 
* * *

Há na trama aquela sensação de tragédia vindoura. Às vezes nota-se o destino dos personagens com dezenas de páginas de antecedência, mas há um interesse genuíno para saber quando capitularão.

Se o texto não traz nada de novo para a sociedade atual, ao menos nos alerta destes defeitos que temos e que não percebemos, ou percebemos e não nos importamos.

Junto com 1984 e Fahrenheit 451, estabelece uma tríade básica das distopias e oferece visões sem a água com açúcar de algumas das várias séries distópicas para adolescentes. Por sinal os três livros, sem necessidade de sequências, oferecem mais por mililitro de tinta negra que os litros nas páginas das aventuras açucaradas dos novos tempos.

Uma tríade que merece ser lida e divulgada.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…