Pular para o conteúdo principal

1984 de George Orwell


Poderíamos dizer que George Orwell previu a exposição em massa via TV – a perda da individualidade em prol de um estado de onipresente e sempiterna vigilância. Eu, por outro lado, prefiro pensar que ele previu, melhor registrou, que nenhum Partido chega ao poder disposto a abandoná-lo. E, tencionando perpetuar-se no poder, admite utilizar-se de quaisquer meios para tal.

O grande trunfo é apontar que o Partido no poder, qualquer um, seja A ou B, tenciona alterar a história, mudar a memória, modificar os dados de modo a tornar-se mais áureo do que de fato o é. Me vem imediatamente à memória frase como “Nunca antes na história deste país...” tão comumente utilizadas recentemente no Brasil e tremo de pensar que o Partido pode ser facilmente encontrado nas palavras de quase todos os partidos tupiniquins, senão todos. Ao dizer “nunca antes...” o partido está sutilmente (mas não tanto) modificando a história, e levando as massas a não conferirem dados – até por que temos ¾ da população como analfabetos funcionais, mesmo.

Dividir o país em “nós” e os “outros”, ambos indistintos, mas facilmente perceptíveis, também é uma forma de se perpetuar no poder disseminar o conflito entre as classes.

Dobrar o cidadão e reduzi-lo a algo que o Estado manipula e brinca é algo exibido constantemente nas páginas da distópica obra, mas a figura do traidor, aquele que anuncia sua insatisfação, te coopta à resistência, acende a tua fornalha do choque e depois se retira, dizendo “não é bem assim... temos que ter um pouco de paciência...” e passa a te apontar para os dirigentes é algo muito comum.

As versões dos O'Briens são tão numerosas quanto as versões do Partido. Solitários são os Winston Smith.

Então reduzir a previsão de Orwell à vigilância em massa é reducionismo. Orwell previu isto, sim. Mas o que ele realmente previu foi o governo totalitário, onipresente e controlador de todos os aspectos. Vivemos estes dias. Sabemos e fingimos ser normal.

1984, George Orwell, ISBN 978-85-359-1484-9, Companhia das Letras, 2009, 1ª edição, 10ª reimpressão, Tradução de Alexandre Hubner e Heloisa Jahn.

Como um homem pode afirmar seu poder sobre outro, Winston?”
Winston pensou. “Fazendo-o sofrer”, respondeu.
Exatamente. Fazendo-o sofrer. Obediência não basta. Se ele não sofrer, como pode ter certeza de que obedecerá à sua vontade e não à dele próprio? Poder é infligir dor e humilhação. (...)” página 311.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…