Pular para o conteúdo principal

Elric: When the Gods Laugh (1961)

Muito da estrutura padrão do RPG de fantasia medieval pode ser encontrada nos primeiros contos de Elric, o príncipe albino, último imperador de Melniboné.

O anti-herói representado por Elric é encontrado em um bar e convencido a uma jornada em busca de um tesouro ou de uma vingança contra algum desafeto. Após alguma hesitação, ele aceita a missão, vive algumas dificuldades na viagem e por fim encontra com seu destino.

Então onde está a inteligência em ler estes contos escritos nos anos 1.960, mas já repetidos à exaustão por outras mídias?

Michael Moorcock consegue construir a persona de Elric de maneira carismática e praticamente nos obriga a continuar a ler para descobrir o que aconteceu antes do conto The dreaming city, algo que aos poucos é fornecido. Certamente personagens depressivos devem atrair o interesse do leitor.

Ao mesmo tempo, Moorcock usa da sutil ironia para definir um objetivo: o imperador e sua companhia estão em busca do Dead Gods' Book, onde através da leitura da informação armazenada, Elric saberia qual é o seu papel no mundo e se estaria cumprindo-o. Ora este ritual, que só pode ser descrito como religioso, é o que nos une na leitura dos livros sagrados: a busca de orientação. Estamos fazendo o que realmente deveríamos estar fazendo?

Se estamos, por quê tanta desgraça? Por quê tantas dificuldades?

A sutileza é rompida quando se encontra o livro e Moorcock e os deuses riem do príncipe albino, como o título informa.

Elric, recluso após a queda de Imrryr, é convocado por Shaarila para a busca pelo livro sagrado e no percurso, encontra um de seus primeiros companheiros leais, Moonglum. Novamente a rapidez dos acontecimentos não permite ao leitor nenhum cansaço e antes que se perceba o conto acaba deixando no leitor a vontade de saber sobre o futuro e o passado desde senhor e escravo da espada mística Stormbringer.

Foi publicado pela primeira vez em Sciense Fantasy #49 em 1961 e mais recentemente na coletânea de romances, novelas e noveletas The Stealer of Souls (Del Rey, Chronicles of the Last Emperor of Melniboné, 2008-2010, vol 1 Elric: The Stealer of Souls, ISBN 0-345-49862-3)





Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…