Pular para o conteúdo principal

Fahrenheit 451

Imagine um mundo bem distante no futuro onde as pessoas pararam de conversar entre sim pessoalmente e passam a utilizar métodos como aparelhos instalados nos ouvidos ou gigantescas telas retangulares instaladas em suas salas. A ponto de para manter a ilusão que conversam chegam a instalar dispositivos que inserem seus nomes nas bocas dos desconhecidos e assim eles referem-se à audiênica pelo nome.

Imagine um mundo bem distante no futuro onde as pessoas não conversam sobre si, mas sobre campeonatos de esportes de massa e onde a tristeza se faz presente ao ponto de que as pessoas se entreguem às drogas sem uma lembrança do quê fizeram.

Imagine um mundo bem distante onde os livros passaram a serem censurados primeiro pelas minorias. Negros passaram a censurar os brancos, homossexuais passaram a censurar os heteros, evangélicos passaram a censurar os ateus e estes, por sua vez, os evangélicos. Neste mundo você pode ter opinião, desde que concorde com a maioria e que, evidentemente, não entre em conflito com nenhuma minoria.

Este é o mundo de Montag, um bombeiro, não o nosso (será?). Neste mundo um bombeiro tem a função não de apagar incêndios, mas exterminar os livros e toda a cultura advinda deles. Na trama, Beatty, superior de Montag, revela que não foi um plano das elites dirigentes, mas algo que começou com as minorias e foi apropriado pela “direção”, porque ia de encontro com os interesses daqueles que dominam o mundo.

Realmente o livro é esquemático: Montag é questionado sobre seu papel no mundo por uma vizinha, passa a realmente ver o mundo em que vive e, no processo, rebela-se contra o sistema. Não é exatamente um processo inovador para contar a história. É apenas mais uma maneira. E aqui funciona! Pois assim como em As crônicas marcianas a força está no texto de Ray Bradbury, que tem uma força e poesia incríveis – especialmente no primeiro ato da história.
Bradbury criou em 1.953 um libelo contra a censura, contra o ato de censurar, contra a alienação e contra os processos pelos quais se dão a alienação. Acertou na mosca na descrição de tecnologias que existem hoje e mais impressionante, no uso que a sociedade faz dela, ao ponto de conseguir visualizar com facilidade anormal salas com três televisores de tela plana e pessoas conversando indefinidamente sobre coisas sem relevância, enquanto as relevantes são deixadas.

* * *

No fim, é irônico que o seja publicado no Brasil pela Editora Globo.

Fahrenheit 451, Ray Bradbury, Globo de Bolso, Editora Globo, ISBN 978-85-250-4644-4, 1ª edição 2009, 1ª reimpressão 2010, Tradução de Cid Knipel.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…