Pular para o conteúdo principal

Fahrenheit 451

Imagine um mundo bem distante no futuro onde as pessoas pararam de conversar entre sim pessoalmente e passam a utilizar métodos como aparelhos instalados nos ouvidos ou gigantescas telas retangulares instaladas em suas salas. A ponto de para manter a ilusão que conversam chegam a instalar dispositivos que inserem seus nomes nas bocas dos desconhecidos e assim eles referem-se à audiênica pelo nome.

Imagine um mundo bem distante no futuro onde as pessoas não conversam sobre si, mas sobre campeonatos de esportes de massa e onde a tristeza se faz presente ao ponto de que as pessoas se entreguem às drogas sem uma lembrança do quê fizeram.

Imagine um mundo bem distante onde os livros passaram a serem censurados primeiro pelas minorias. Negros passaram a censurar os brancos, homossexuais passaram a censurar os heteros, evangélicos passaram a censurar os ateus e estes, por sua vez, os evangélicos. Neste mundo você pode ter opinião, desde que concorde com a maioria e que, evidentemente, não entre em conflito com nenhuma minoria.

Este é o mundo de Montag, um bombeiro, não o nosso (será?). Neste mundo um bombeiro tem a função não de apagar incêndios, mas exterminar os livros e toda a cultura advinda deles. Na trama, Beatty, superior de Montag, revela que não foi um plano das elites dirigentes, mas algo que começou com as minorias e foi apropriado pela “direção”, porque ia de encontro com os interesses daqueles que dominam o mundo.

Realmente o livro é esquemático: Montag é questionado sobre seu papel no mundo por uma vizinha, passa a realmente ver o mundo em que vive e, no processo, rebela-se contra o sistema. Não é exatamente um processo inovador para contar a história. É apenas mais uma maneira. E aqui funciona! Pois assim como em As crônicas marcianas a força está no texto de Ray Bradbury, que tem uma força e poesia incríveis – especialmente no primeiro ato da história.
Bradbury criou em 1.953 um libelo contra a censura, contra o ato de censurar, contra a alienação e contra os processos pelos quais se dão a alienação. Acertou na mosca na descrição de tecnologias que existem hoje e mais impressionante, no uso que a sociedade faz dela, ao ponto de conseguir visualizar com facilidade anormal salas com três televisores de tela plana e pessoas conversando indefinidamente sobre coisas sem relevância, enquanto as relevantes são deixadas.

* * *

No fim, é irônico que o seja publicado no Brasil pela Editora Globo.

Fahrenheit 451, Ray Bradbury, Globo de Bolso, Editora Globo, ISBN 978-85-250-4644-4, 1ª edição 2009, 1ª reimpressão 2010, Tradução de Cid Knipel.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!