Pular para o conteúdo principal

As crônicas marcianas

Devo ser sincero: não imaginava poesia quando comprei “As crônicas marcianas” de Ray Bradbury (Coleção Mundos da Ficção Científica volume 16, Francisco Alves Editora, Tradução de José Sanz, 1980).

Imaginava uma série de contos fortes ou com aquela sensação tão comum à ficção científica: às vezes parecem inconclusos.

Bradbury então consegue tornar-se relevante ao estabelecer uma cronologia do processo de colonização de Marte entre 1.999 e 2.026 e fazer isto com uma inteligência e sensibilidade alarmante. Há marcianos, mas de uma maneira bem diferente daquilo que estamos acostumados. Na verdade, há duas raças de marcianos, e ambas conseguem serem surpreendentes e saborosas enquanto leitura mesmo numa seara de tão poucos bons frutos quanto histórias de colonizações: são previsíveis e invariavelmente fazem paralelos com a Colonização da América do Norte, em especial o Velho Oeste e as ferrovias.

(Chama tanta atenção o padrão de marcianos que ele escolhe, que é surpreendente que desde 1.958 a obra não sofra bem mais imitações.)

Dois contos me chamam a atenção. O primeiro é “Junho de 2003 Um caminho no meio do ar”, onde todos os negros dos EUA se vão para Marte. Lembre-se o livro foi escrito nos anos 1.940-1.950 e lançado neste formato em 1.958 quando o preconceito e um semi escravidão racista ainda eram condições bem comuns.

Outro é o conto “Agosto de 2011 Os colonizadores”, que faço um extrato:

Os homens da Terra foram para Marte.
Foram porque tinham medo ou não, eram felizes ou infelizes, porque se sentiam como os Peregrinos ou não se sentiam como os Peregrinos. Cada homem tinha seu motivo. Estavam abandonando más esposas, trabalhos ruins ou cidades odiosas. Chegaram para procurar algo, abandonar algo, obter algo, cavar algo, enterrar algo ou livrar-se de algo. Vinham alimentando sonhos modestos, grandes sonhos ou sonho nenhum. Mas o dedo governamental apontava de cartazes em quatro cores, em várias cidades: HÁ TRABALHO PARA VOCÊ NO CÉU: VISITE MARTE! e os homens precipitaram-se. A princípio uns poucos, umas dezenas, pois a maioria sentia-se muito enferma, mesmo antes do foguete partir. E essa doença era denominada Solidão, porque quando eles viam sua cidade natal reduzida ao tamanho de um punho, depois de um limão, finalmente da cabeça de um alfinete, acabando por desaparecer na esteira de fogo, sentiam-se como se nunca tivessem nascido, nunca tivesse existido a cidade, como se estivessem em lugar algum, rodeados de espaço, sem nada familiar, apenas outros homens desconhecidos.

Uma clareza, objetividade e poesia incomum à ficção científica com suas histórias por demais surreais.

Um belíssimo livro.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…