Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [8x01] - Deep Breath


Eu sempre penso que quando as séries ganham audiência planetária, elas perdem algo de si. Doctor Who é a prova disto. Desde 2.010 a série está em um crescendo sem paralelos para o tema, o formato e o tipo de série.

Muito da série é ridículo, mas funciona bem em uma narrativa sci-fi, especialmente quando não vemos as imagens. Às vezes um vilão ou outro emborrachado choca pelo esquisito da situação, mas há uma boa dose de canastrice e o poder da descrença na série. Há episódios com todos os Doutores que são o quê há de melhor em sci-fi e há episódios, também com todos os Doutores que pensamos: deu tudo que tinha para dar!

O problema da nova temporada (sábado, 23/08/2014) é aprender demais com a atual safra de filmes americanos e assim explicar demais. Se o vilão, um complexo robô que está substituindo peças robóticas por órgãos humanos a milhares de anos, é misterioso ao ponto de termos mais perguntas que respostas, a condição da regeneração é exaustivamente explicada.

Peter Capaldi é o 12º Doctor e a 13ª encarnação do personagem – há o John Hurt, lembrem-se! Não existe espectador novato que não saiba que para justificar a troca de atores, os produtores “matam” e “regeneram” o personagem. Eu, que até este momento vi as regenerações que levaram ao Quarto Doutor, o War Doctor, o Nono, o Décimo, o Décimo Primeiro e o Décimo Segundo – apesar de já ter assistido a episódios com todos os Doutores – achei que foi a mais demorada explicação.

Clara Oswald a atual companheira, sendo a Garota Impossível, trabalhou com todos os Doutores, alguns sem saber, evidentemente. Ela, no entanto, assistiu a regeneração! Ela viu a mudança e mesmo assim achou que aquele ser não era o DOUTOR.

Para piorar vira e mexe o episódio retornava ao tema do estranho que era renascer em um novo corpo, com novos hábitos. E quando achávamos que o assunto tinha acabado, torna. E torna. E torna…

[A trama]
O novo Doutor e sua companheira, Clara Oswald, aterrissam na Londres Vitoriana junto com um dinossauro fêmea. Ficam aos cuidados de Madame Vastra, Jenny e Strax, enquanto o Doutor passa por um doloroso processo de redescoberta.

Um ciborgue, que vem matando cidadãos para adquirir peças de reposição para seus circuitos, mata o dinossauro, mas alguém o põe no caminho do Doutor e de Clara. Surge uma nova misteriosa personagem, chamada de Missy. O curioso é que o ciborgue faz o caminho inverso. Se tradicionalmente o ciborgue é um ser com partes robóticas e o clássico questionamento de perda da humanidade, aqui há o robô que recebe parte humanas e passa a ter alguns questionamentos também humanos.

Com tanto mistério por que tinham de explicar tanto a regeneração?

Nova versão do tema, nova abertura – algo de steampunk, novo figurino, nova TARDIS (externa e internamente) e novo Doutor. Tudo novo, mas cansa a quantidade de explicações. E como cansa!

Mas sábado que vem tem mais e já teremos esquecido as explicações. (Isso significa que explicarão de novo?)

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…