Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [8x01] - Deep Breath


Eu sempre penso que quando as séries ganham audiência planetária, elas perdem algo de si. Doctor Who é a prova disto. Desde 2.010 a série está em um crescendo sem paralelos para o tema, o formato e o tipo de série.

Muito da série é ridículo, mas funciona bem em uma narrativa sci-fi, especialmente quando não vemos as imagens. Às vezes um vilão ou outro emborrachado choca pelo esquisito da situação, mas há uma boa dose de canastrice e o poder da descrença na série. Há episódios com todos os Doutores que são o quê há de melhor em sci-fi e há episódios, também com todos os Doutores que pensamos: deu tudo que tinha para dar!

O problema da nova temporada (sábado, 23/08/2014) é aprender demais com a atual safra de filmes americanos e assim explicar demais. Se o vilão, um complexo robô que está substituindo peças robóticas por órgãos humanos a milhares de anos, é misterioso ao ponto de termos mais perguntas que respostas, a condição da regeneração é exaustivamente explicada.

Peter Capaldi é o 12º Doctor e a 13ª encarnação do personagem – há o John Hurt, lembrem-se! Não existe espectador novato que não saiba que para justificar a troca de atores, os produtores “matam” e “regeneram” o personagem. Eu, que até este momento vi as regenerações que levaram ao Quarto Doutor, o War Doctor, o Nono, o Décimo, o Décimo Primeiro e o Décimo Segundo – apesar de já ter assistido a episódios com todos os Doutores – achei que foi a mais demorada explicação.

Clara Oswald a atual companheira, sendo a Garota Impossível, trabalhou com todos os Doutores, alguns sem saber, evidentemente. Ela, no entanto, assistiu a regeneração! Ela viu a mudança e mesmo assim achou que aquele ser não era o DOUTOR.

Para piorar vira e mexe o episódio retornava ao tema do estranho que era renascer em um novo corpo, com novos hábitos. E quando achávamos que o assunto tinha acabado, torna. E torna. E torna…

[A trama]
O novo Doutor e sua companheira, Clara Oswald, aterrissam na Londres Vitoriana junto com um dinossauro fêmea. Ficam aos cuidados de Madame Vastra, Jenny e Strax, enquanto o Doutor passa por um doloroso processo de redescoberta.

Um ciborgue, que vem matando cidadãos para adquirir peças de reposição para seus circuitos, mata o dinossauro, mas alguém o põe no caminho do Doutor e de Clara. Surge uma nova misteriosa personagem, chamada de Missy. O curioso é que o ciborgue faz o caminho inverso. Se tradicionalmente o ciborgue é um ser com partes robóticas e o clássico questionamento de perda da humanidade, aqui há o robô que recebe parte humanas e passa a ter alguns questionamentos também humanos.

Com tanto mistério por que tinham de explicar tanto a regeneração?

Nova versão do tema, nova abertura – algo de steampunk, novo figurino, nova TARDIS (externa e internamente) e novo Doutor. Tudo novo, mas cansa a quantidade de explicações. E como cansa!

Mas sábado que vem tem mais e já teremos esquecido as explicações. (Isso significa que explicarão de novo?)

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…