Pular para o conteúdo principal

To Rescue Tanelorn


Antes de mais nada devo confessar que esta não é uma aventura de Elric, mas do Red Archer – e não, não é o parceiro do Olliee é o segundo conto do segundo volume de crônicas do personagem principal (Chronicles of the Last Emperor of Melniboné: Volume 2 To Rescue Tanelorn, Del Rey, 2008).

Eu li o primeiro volume no início de 2013 e mesmo tinha iniciado o segundo volume há um ano, quando li que Michael Moorcock havia assinado um contrato para publicação de quatro livros no Brasil. Com a chegada da Saída de Emergência, que publica a série em Portugal, eu acreditei que não haveria maior demora.

Me enganei e retomei a leitura dos contos, que intercalarei entre os romances que lerei a partir de agora.

To Rescue Tanelorn, o conto, foi publicado pela primeira vez em Science Fantasy #56 de dezembro de 1.962 e ajuda a criar o cenário para a guerra entre o Caos e a forças da Ordem. Vale lembrar que no universo de Moorcock nenhuma das forças dá muita importância para a humanidade, daí neste conto os personagens decidirem auxílio aos lordes cinzentos, ou seja, nem branco (Ordem) nem negro (Caos), mas um meio termo. No texto a decisão é justificada com a explicação de que, atacados por forças do Caos, se pedissem auxílio à Ordem tomariam lado na guerra que ocorre.

Aqui conhecemos a cidade de Tanelorn, além do Deserto Sussurrante que é um ponto de repouso para os aventureiros e viajantes cansados; mas as forças de Lorde Narjhan, que lidera Nadsokor, a Cidade dos Mendingos, orientados pela agenda do Caos, partem para atacar Tanelorn.

Rackhir, o Arqueiro Vermelho, decide pedir auxílio aos Lordes Cinzentos e para tanto conta com a ajuda do ermitão e sábio Lamsar que irá conduzi-lo entre os reinos e portais interdimensionais – os Cinco Portões – para alcançar a dimensão dos tais lordes. A viagem, rápida e a descrição dos reinos é uma das partes mais saborosas do conto.



Resta saber se chegarão a tempo para salvar Tanelorn e, mais importante, se conseguirão a ajuda esperada.

[Impressões]
Depois da grandiosidade de The Eternal Champion – o conto que abre o volume, To Rescue Tanelorn parece uma história muito certinha e perfeita.

Na trama tudo dá certo e o quê cria um terrível contraponto entre a tragédia de Elric e a sorte de Rackir.

Feita para leitura rápida, o conto ajuda a criar o cenário das forças em conflito, da urgência do Caos atacar a Terra e as cidades livres, mas o quê fica ao final é a impressão de ser um conto menor, importante para criar um background para os eventos que já se concluíram no primeiro volume da coletânea.

[Artes & Adaptações]
Vale ressaltar que o livro é ilustrado com artes de Michael Wm Kaluta, lendário artista que se estabeleceu como artista de série de terror e fantasia nos anos 1.960/1.970, e que o artista faz uma belíssima ilustração do personagem que não tem relação alguma com a visão do artista da série The Vanishing Tower (First Comics, 1987/1988) donde tirei a ilustração que o apresenta à la Robin Hood.

O conto To Rescue Tanelorn foi adaptado para os quadrinhos em Elric: The Bane of the Black Sword #06 (1989) por Roy Thomas, Mary Mitchell e Eric Vincent, já nos estertores de First Comics. The Bane of the Black Sword é o nome da coletânea que anteriormente trazia o conto. Infelizmente a arte muito estilizada não faz jus ao clima sombrio que exige a história.









Roy Thomas é um dos principais autores da nona arte e responsável por adaptações de vários personagens de outras mídias para os quadrinhos, em especial, Conan e Star Wars – dois extremos. Seus trabalhos para a First Comics, adaptando o texto de Moorcock foram publicados em um momento em que se afastou da Marvel Comics (início dos anos 1.980) e após desenvolver as séries All-Star Squadron e Young All-Stars para a DC Comics.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…