Pular para o conteúdo principal

Panini relança X-Men: Massacre dos Mutantes

No mercado americano de quadrinhos é quase certo que um arco de histórias retorne como encadernado, aumentando assim, o lucro da editora com as vendas do título. Alguns volumes como V de Vingança já ultrapassaram 500 mil cópias (na época do filme) e a DC Comics chegou a encomendar um milhão de cópias de Watchmen, também na época do lançamento do filme. Outras séries como The Walking Dead, base para a série de TV, tornaram-se presença constante na lista de 10+ dos encadernados mais vendidos, conseguindo vendas superiores, neste mercado, do que quando lançados em floppies.

Assim, não é de se estranhar quando a Marvel Comics ou DC encaderna uma aventura clássica e lança no mercado, ainda que naquele momento da indústria quando foram originalmente lançadas as histórias não eram produzidas buscando intencionalmente o formato de arcos. Não raro as maiores editoras reeditam os encadernados quando eles se esgotam e, buscando ampliar vendas, modificam capas, acrescentam histórias, fazem modelos em capa dura ou capa cartão ou adicionam um roteiro.

A Panini Comics republica o arco O Massacre dos Mutantes, que já havia lançado na série Os maiores clássicos (que utilizava na maior parte material de Marvel Visionnaries). Como havia publicado a pouco o arco A queda dos Mutantes é de se esperar que a editora procure relançar os eventos que tornaram os heróis mutantes em fenômeno da mídia nos EUA. Na minha opinião Inferno é a decisão mais acertada para dar sequência.

Chama a atenção a possibilidade da editora de republicar material, coisa quase não feita por aqui. A excelente série Biblioteca Marvel, cujos volumes do Homem Aranha são difíceis e caros de ser encontrados demanda uma nova edição há tempos, mas a editora prefere apostar em um novo formato de encadernado, semelhante ao que fez na época do lançamento do filme dos Vingadores (2012).

Entendo que editora vive de vendas, mas se algo esgotou é sinal que é vendável, então por que não fazer novas edições e ampliar as Bibliotecas Históricas? Estranho para mim é que a Panini invista em Flex Mentallo, um spin off da série A Patrulha do Destino de Grant Morrison, baseada apenas na fama do autor, conhecido por muitos como hermético.

Aqui não é um caso de dois pesos, duas medidas. É caso de pesos e medidas desconhecidos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…