Open top menu
quinta-feira, 19 de setembro de 2013

A cada nova série eu fico me perguntando o quê a justifica. Diferente dos filmes, que são entretenimento rápido e, em geral, fugaz, séries de TV e de quadrinhos são planejadas para durar anos a fio e tem de imediato conquistar o espectador ou leitor.

Claro que muitas séries passam por mutações importantes. Sandman de Neil Gaiman teria outro tom se tivesse continuado com a arte de Sam Kieth, assim como a estação Babylon 5 teria um nível de ação levemente diferente caso continuasse com o seu primeiro capitão.

O inescrito vol 1 Tommy Taylor e a Identidade Falsa é assim: necessita de algo que se sobressaia para ser relevante para os leitores. A trama trata de Tommy Taylor, filho de um autor de livros infantis desaparecido. Este autor criou uma série de fantasia semelhante em narrativa à série de livros de Harry Porter, mas uma fã criou uma dúvida genuína sobre o fato de que o filho do autor é, na verdade, o personagem.

Bom. Seria uma trama interessante para uma série reduzida (6 ou 8 partes) e eu leria sem me importar. Mas os autores, Mike Carey & Peter Gross inventam uma conspiração, algo que cansativamente tem sido a base de muitas séries. Esta conspiração é introduzida na quinta edição da série que funciona como uma edição fechada. Ali se cria uma organização que aparentemente tem conotações fantásticas, acesso a outros mundos, tem entre seus agentes seres místicos comuns à literatura e que censura os autores há séculos. Qual a agenda da organização? Onde alcançou com seus feitos? Quem influenciou? Quais autores censurados? Quais livros censurados? Qual a relação com Wilson Taylor e sua série de livros? Qual a relação com Tommy Taylor?

Pergunto-me se o leitor se importará com estas questões a ponto de acompanhar a série ou se, aquelas que a acompanharem são apenas fãs dos autores e saudosistas de Harry Porter ou Os livros da magia e derivados.

No meio do caminho enquanto não se estabelece uma trama digna além da suspeita, a série evoca o dia a dia de palestras e workshops de autores, as convenções, as aberrações frequentes de fãs e principalmente o fantástico, pois fica evidente deste o primeiro momento que o Tommy Taylor real é realmente o personagem do livro.

(Bocejo).

Evidentemente chama a atenção a introdução de Bill Willingham (Fábulas) que leva a crer que sob a mesma editoria seria impossível não estabelecer uma relação entre as séries, ainda que não seja algo comum no selo Vertigo.

Dito (escrito) e feito: recentemente O inescrito vol 1 teve cross-over com Fábulas, foi encerrada e reiniciada como volume 2, jogada padrão para atrair fãs para séries que apesar de boas vendas há temor de, a longo prazo, não conseguirem se manter.


Panini Comics, 2012, R$ 18,90.


Volume
Nome Arco/Encadernado
Edições
1 Tommy Taylor e a Identidade Falsa #01-05
2 O informante #06-12

Different Themes
Written by Lovely

Aenean quis feugiat elit. Quisque ultricies sollicitudin ante ut venenatis. Nulla dapibus placerat faucibus. Aenean quis leo non neque ultrices scelerisque. Nullam nec vulputate velit. Etiam fermentum turpis at magna tristique interdum.

0 comentários