Open top menu
quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Fruto de um atraso de distribuição da Panini com os encadernados Vertigo, em especial 100 balas, Y O último homem e Fábulas, chegou a cerca de 60-90 dias em minha cidade o volume 8 da coleção 100 Balas. Sim eu sei que a série já terminou por aqui, mas resolvi continuar com minhas impressões sem me importar.

Não sou fã de primeira hora da série e devo confessar que tenho paciência com ela é mais pela arte de Eduardo Risso que acredito ser excelente do que pela rocambolesca trama de traição em vários níveis. Também tenho em vista que originalmente a série não foi planejada para cem edições e apenas para explorar o marketing do feito e sua relação com o título, é que recebeu uma extensão para ter uma centena de edições. Isso não é ruim nem é bom, apenas mostra que a série não foi concebida para ter este tamanho e que Brian Azzarello introduziu elementos adicionais para retardar a conclusão, da mesmíssima maneira que os escritores e produtores da TV Globo fazem com novelas com bons índices de audiência.

Isto afeta essencialmente este volume. Os dois arcos existentes aqui Esfriando no forno e Jaula fedida são provas que o Agente Graves está armando algo grande e que às vezes foge do escopo da série. O leitor padrão fica perdido, mas enfeitiçado pelas imagens e pela descrição acurada do submundo, das prisões. O traço de Risso é elegante, faz um excepcional jogo de luz e sombra e consegue retratar belas mulheres e perigosos homens sem parecer forçado. Num determinado momento, procurando satirizar a indústria de heróis o desenhista exagera na musculatura de um personagem e só um leitor atencioso percebe.

No primeiro arco um negro prisioneiro chamado “pequeno” Hughes se envolve em uma vingança ao mesmo tempo em que Lono, um ex Minutemen, chega à prisão. Disposto a sobreviver à revanche de um contrafeito que enviou à enfermaria Hughes, vai ao extremo e acaba submisso a uma relação estreita com Lono na solitária. Sobreviverá?

Ao mesmo tempo fica evidente que Graves tem interesses em Hughes e que Lono sabe e tenta atrapalhar a jogada. Eu chamaria isto de retardamento de trama.

O segundo arco traz novamente um show na arte, mas parte do princípio de posicionar um personagem, seu fascínio por drogas e animais perigosos e sua visão distinta de valores, o quê pode torná-lo um agente descontrolado. Azzarello introduz um personagem que Graves não terá controle real e cuja agenda ninguém tem conhecimento de fato.

Texto de Brian Azzarello, arte de Eduardo Risso, reune as edições 43-49 da série 100 Bullets. 172 páginas, R$ 20,90, lançamento em 2012.

Volume
Nome
Edições
01 Atire primeiro, pergunte depois

02 Segundas chances

03 Laços de sangue

04 Inevitável amanhã

05 Contrabandolero!

06 O detetive enquadrado

07 A sete palmos

08 Samurai #43-49
09



10



11



12



13



14



15




Different Themes
Written by Lovely

Aenean quis feugiat elit. Quisque ultricies sollicitudin ante ut venenatis. Nulla dapibus placerat faucibus. Aenean quis leo non neque ultrices scelerisque. Nullam nec vulputate velit. Etiam fermentum turpis at magna tristique interdum.

0 comentários