Pular para o conteúdo principal

O inescrito vol 2 O informante

Tom Taylor foi preso, responsabilizado por um massacre. Como um dos mortos é francês, ele é enviado para uma prisão francesa e se aproxima de outro criminoso, na verdade, um jornalista sensacionalista chamado Savoytal informante do título. Lá ambos tem uma experiência fantástica ao ver o mítico herói Roland – por sinal, adaptado por Michael Moorcock para ser uma das encarnações do Campeão Eterno em uma noveleta de Elric.

Sua amiga Lizzie, culpada pela revelação do volume anterior se responsabiliza no crime para ir para a prisão, disposta a tirar o jovem Tom/Tommy Taylor de lá. Ao final da passagem, quando previsivelmente os trio foge da prisão, o conde Ambrosio, inimigo vampírico e ficcional, se manifesta na Terra depois de a prisão ser invadida por agentes da “organização” que desejam a morte do “menino mago”.

De resto o drama familiar de um diretor de presídio cujos filhos, crianças, são fãs em última instância da série de livros e que teme que ao alimentar estes sonhos esteja contribuindo com um processo de alienação.

Para o leitor o primeiro arco tem graça limitada, já que Tom é Tommy, gatos tem asas, o Monstro de Frankestein torna a aparecer e portas místicas são criadas em todo lugar. Isso sem contar que o diretor se torna o conde Ambrosio, diminuindo o interesse em uma possível surpresa sobre a origem de Taylor.

E para concluir a edição um arco curto e uma história fechada. Em Jud Süss temos essencialmente uma crítica à versões cinematográficas de livros, que se afastam de seu conteúdo original. Aqui uma obra judia torna-se uma peça anti-semita nas mãos dos nazistas. Novamente previsível, o arco de duas edições serve para “surpreender” (a quem?) sobre o nível de poderes de Tommy que aqui, consegue deter uma grande ameaça. A última história reza sobre a insatisfação e a impossibilidade de viver dentro de um grupo. É a mais hermética até o momento, o que quer dizer que certamente demonstrará em um futuro breve alguma ligação maior com a trama. Esta one shot lembra em muito a narrativa de Fábulas e em tudo fica evidente o controle de Wilson Taylor, autor dos filhos de Tommy Taylor e responsável pela manifestação de física do personagem.

Por enquanto indicado apenas para curiosos sem algo para ler e com dinheiro no bolso.

Panini Comics, 172 páginas, R$ 22,90, 2012.

Volume
Nome Arco/Encadernado
Edições
1 Tommy Taylor e a Identidade Falsa #01-05
2 O informante #06-12

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…