Pular para o conteúdo principal

Dylan Dog #01: O despertar dos mortos-vivos

Devo confessar que quando descobri a passagem de Dyaln Dog pela Record a série já havia encerrado, ainda que tenha acompanhado na época do lançamento Love & Rockets, que não era Bonelli, mas fazia parte do pacote da editora naquele momento. Quando finalmente decidi comprar algumas séries Bonelli Zagor e A história do oeste já estavam em seus últimos momentos. Mas graças às bancas comprei muitas edições antigas, completando as séries de Dylan Dog e Martin Mystere e quase completa de Zagor.

Dylan Dog é o enigmático “investigador do pesadelo” e suas aventuras seguem o padrão da bela mulher que busca auxílio que não conseguiu na Scotland Yard e tem que conviver com Dylan e com seu auxiliar Groucho, capaz de piadas infames e politicamente incorretas e sempre disposto a salvar seu patrão.

Na aventura de início “O despertar dos mortos-vivos” Dylan é contratado por Sybil Browning, cujo marido já morto tentou matá-la. A investigação leva a uma ligação entre o marido zumbi e o senhor Abraxas, um das personificações do demônio que está em busca da imortalidade e é inimigo da família de Dylan Dog, nominada por ele como caçadores de pesadelos. Neste episódio inicial não há muito espaço para o Inspetor Bloch da Scotland Yard, ex-superior de Dylan quando estava na polícia, mas ele é um elemento constante na série.

Apesar do bom roteiro de Sclavi e da arte adequada de Stano (capa de Cláudio Villa), a história às vezes escorrega nos clichês como o do vilão que conta seus planos e ou ainda com os “heróis” presos, Abraxas se rende a um último desejo do investigador que permitirá a fuga. Nada disso porém, estraga o delírio da passagem no cinema, quando Dylan leva uma viúva atacada por um zumbi (que era seu marido, lembre-se) para assistir a um filme de George Romero ou o impagável diálogo que se seque, ainda no cinema:

Dylan Dog: O que há agora? Ah, “Um lobisomem americano em Londres”! Vi quatorze vezes!
Sybil: Quatorze vezes?
Dylan Dog: Psiu! Vai começar. Não quero perder o início, senão depois não entendo nada da trama.

Dylan Dog #01, Record, 1991.

Dylan Dog – Editora Record
(-1)
-

#01
(+1)
#02
-
O despertar dos mortos-vivos
Jack, o estripador

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!