Pular para o conteúdo principal

Fábulas vol 2: A revolução dos bichos


Divertido, Fábulas vol 2 A revolução dos bichos, trata da tentativa de tomada do poder por parte das fábulas não humanas que habitam a Fazenda, uma propriedade ao norte de Nova Iorque onde vivem. Rosa Vermelha vai para lá como punição pelos eventos do primeiro volume, mas ela e sua irmã e verdadeira administradora da comunidade das Fábulas, Branca de Neve acabam refém dos acontecimentos em lados distintos da guerra. Mas será realmente?

Bill Willingham usa da referência ao livro homônimo de George Orwell para criar um arco que apresente a luta das classes: aqui os animais que se sentem isolados e esquecidos, longe da vista daqueles que podem se passar por humanos. De pano de fundo a luta entre as duas irmãs Rosa Vermelha e Branca de Neve que teimam em se ferir e o estabelecimento de ao menos um personagem importante, Weyland Smith, o responsável pela Fazenda, que, prisioneiro das fábulas não humanas, passa a construir armamento adaptado para o uso deste tipo de fábula. Pela parte dos “vilões” chama a atenção os Três Porquinhos e Cachinhos Dourados, cheios de uma retórica de uma constante luta pelo poder. Em alguns momentos o roteiro tropeça em insistir exibir uma Branca de Neve pueril demais, incompatível com a política que está há séculos na administração da comunidade, mas nada que incomode em excesso.

Fica evidente que Mark Buckingham é um lápis mais adequado à série, ainda que em diversos momentos uma arte final “pesada” de Steve Leialoha (Novos Mutantes) faça a arte leve, em alguns momentos “kirbyesca” de Buckingham lembrar o artista da primeira fase. Caso duvide observe os layouts a lápis do desenhista nos extras do volume. Porém com os meses a dupla conseguiria produzir material em uníssono.

Apesar de distante do tom que a série adotaria entre os volumes 04 e 11, quando o foco foi a luta contra o Adversário, os três primeiros volumes tinham a missão de preparar o terreno, algo que o fazem com primazia. Quase fechados em si, estes volumes apostam no choque do novo da possibilidade de haver fábulas vivendo em Nova Iorque e produziam bons momentos, que não diminuem de intensidade quando a história se concentra em narrar o confronto contra o Adversário. A partir daí, se não havia choque do novo, havia a diversão da boa condução dos personagens já bem estabelecidos.

Panini Comics, R$ 18,90, 132 páginas, 2012.


Vol
Nome
Edições
01
Lendas no Exílio
#01-05
02
A revolução dos bichos
#06-10
03
O livro do amor
#11-18
04
A marcha dos soldados de madeira
O último castelo; #19-21; #23-27
05
Os ventos da mudança
#22; 28-33
06
Terras Natais
#34-41
07
Noites (e dias) da Arábia
#42-47
08
Lobos
#48-51
09
Filhos do Império
#52-59
10
O bom príncipe
#60-69
11
Guerra!
#70-75

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…