Pular para o conteúdo principal

Turma da Mônica: Laços

Algumas histórias, mesmo das majors do mercado, conseguem se sustentar sem entrar no detalhe complexo da cronologia dos personagens. Conseguem ali em poucas páginas, contar tudo que precisamos saber para entender a trama. Isto é muito difícil, mas existem autores talentosos que executam o serviço de vender um produto inteiriço, que não precisa de apêndices para ser compreendido.

Assim é Laços, a segunda Graphic MSP, lançada em agosto de 2013 com produção dos irmãos Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi e edição de Sidney Gusman. Sua história se sustenta plenamente. Não há necessidade de ter lido nenhuma edição da cinquentenária Turma da Mônica e nem mesmo ter assistido a nada antes. Mas se você assistiu à Goonies, Conta Comigo ou ainda, Curtindo a vida adoidado, a história ecoará bons momentos na memória, sem, no entanto, parecer que é subproduto destas produções – e algumas tem uma citação tão singela, que é praticamente imperceptível.
Laços é a história da turma em busca do cão de Cebolinha, o Floquinho, mas antes introduz aos leitores todas as características individuais dos personagens: os planos infalíveis do Cebolinha, os hábitos de higiene do Cascão, o apetite da Magali e a força e ira da Mônica. Diferente dos quadrinhos mensais da turma, Laços reforça o tom de amizade, companheirismo e vínculo entre eles, assim como ao leitor faz com que o remeta a uma época mais simples, como em geral é a infância. Diferente da primeira graphic (Magnetar) que, de certo modo, é uma ode à solidão e seus efeitos, Laços é uma ode à união, à amizade, à infância verdadeira e inocente e a como tudo isto soa em nós. Ainda assim não é um produto saudosista, feito para velhos que tem saudades da infância ou aquilo que hoje se chama pré adolescência. É um produto que tem força gráfica, beleza, elegância, distinção, coerência com o quê pretende e acima de tudo qualidade.
Apesar de fã de sci fi e reconhecer a qualidade da primeira Graphic MSP, acredito que em Laços a equipe liderada por Gusman conseguiu produzir algo verdadeiramente atemporal, que continuará a ter impacto sempiterno nas gerações vindouras, mesmo que elas não estivessem vivas em 1.985, 86, 87 (época da produção dos filmes homenageados) ou 2013. A história irá apenas nos mostrar como era boa e saudável nossa infância.

Uma grande obra. Uma obra eterna!

---
Post Scriptum: E não custa sonhar com uma Graphic MSP para a Turma do Penadinho.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…