Pular para o conteúdo principal

Superman, 10 histórias, 4ª: “What's só funny about Truth, Justice, & The American Way?”

Talvez a história mais importante da década de 2.000 do homem de aço, a história de Action Comics # 775 (março de 2001) já se transformou em uma animação (Superman contra a Elite) e iniciou um ciclo de questionamentos sobre os valores apresentados na indústria de quadrinhos.

Produzida por Joe Kelly (texto), Doug Mahnke e Lee Bermejo (lápis), a aventura mostra um grupo chamado de Elite, claramente inspirado no grupo Authority criado por Warren Ellis para a WildStorm, que defende a postura de impor sua visão de mundo com o uso da força e de destruição em massa – repetindo assim o tema do choque de gerações abordado também em O reino do amanhã de Mark Waid & Alex Ross.

Diante de uma sociedade que aceita bem o uso da força para eliminar aqueles que a incomodam, o Superman questiona-se sobre os limites auto-impostos, visto que esta “versão corrente” do personagem não admitia em nenhum momento a solução definitiva: a morte (algo provado em última instância quando em uma guerra ele não cede à tentação da solução “fácil” e não mata Imperiex).

A história é bem escrita e consegue lembrar os momentos em que os escritores não eram obrigados a seguirem uma cronologia pesada e limitadora. Todos os elementos necessários para entender a aventura estam ali e lê-la tendo em visto o momento geopolítico, em especial o contexto beligerante do governo George W Bush, torna-a apenas mais saborosa.

Com a chegada de um grupo que não age limitado por valores morais deveria o Superman se adaptar aos novos tempos, e entender assim que sua proposta de defesa do mundo estava ultrapassada? Deveria agir a qualquer custo com a premissa de que os fins justificam os meios?

Ao observar a população, uma massa de manobra nas mãos dos gigantes de telecomunicações e empresas de marketing que criam e influenciam opiniões, aceitar aquelas atitudes, o herói sente-se solitário como um último cowboy, defendendo valores que só ele acredita. É inevitável que haja um choque entre ele e o grupo e parte da aventura narra este confronto.

Uma história especialmente atual nestes momentos de revoluções por minuto em que se crê que o uso da força se justifica.




Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…