Pular para o conteúdo principal

Superman, 10 histórias, 5ª: Return to Krypton

Em poucas oportunidades é possível ver o choque de valores provocado por John Byrne no Superman, como quando se compara duas aventuras nomeadas Return to Krypton – há também um arco na fase Jeph Loeb.

Publicado em Superman #141 (novembro de 1960) a Return to Krypton de Jerry Siegel, Wayne Boring e Stan Kaye é um belíssimo conto sobre a perda e a aceitação do destino. Superman viaja no tempo, indo para Krypton algum tempo antes da explosão. Lá, sem poderes, encontra seus pais e se apaixona por uma atriz, Lyla Lerrol.

Conhecida como um ponto alto da carreira de Jerry Siegel quando ele retornou para a DC Comics, depois de um período afastado, Return to Krypton é um conto sobre o amor perdido e sobre como a memória de um amor inesquecível pode se apagar, tornando-se um doce lembrança, até se tornar nada (ao voltar para a Terra Superman pensa “Tudo já parece um sonho estranho e fantástico!”). A veia romântica é tão estranha e onipresente que há uma sequência passada na Terra com Jonathan e Martha, ainda não casados e observados pelo Superman lá de Krypton. Nesta sequência Jonathan tímido, mas honesto, percebe que um banqueiro desonesto está ganhando a afeição de Martha mas se impõe de forma física.

Seria a história um reflexo de sua vida conjugal destruída? Uma versão de seus sonhos pueris, agora transformados em pesadelos de contas e limitações financeiras?

Não sei. Só sei dizer que é uma história romântica, meio piegas e razoavelmente bem escrita e lindamente ilustrada por Boring – diversas vezes homenageado em Adventures of Superman na fase Marv Wolfman/Jerry Ordway.

Então em Superman #18 (julho de 1988) John Byrne, Mike Mignola e Karl Kesel criam uma versão distópica da história. Agora o herói de aço vai ao escombros do planeta morto com o auxílio do Gavião Negro e Mulher-Gavião e, delirando devido à exposição à kryptonita, sonha com uma realidade onde os seus pais e parte da população de Krypton – frios, lógicos e insensíveis – vem à Terra. Aqui, dominam o nosso mundo e anos depois iniciam uma guerra interna, um lado defendendo o direito dos terráqueos, outro acreditando que sejam apenas uma raça a ser subjugado, deixando como antagonistas Jor-El e Lara.

Apesar de um delírio a aventura é de certo modo uma “continuação” da excelente série World of Krypton com a mesma equipe de produção de texto e lápis e que apresentava o passado daquele Krypton distópico criado e defendido por Byrne e ilustrado com um segurança seca e sombria por um iniciante Mike Mignola.

Comparar as duas aventuras, separadas por 28 anos de distância, mostra como um personagem de quadrinhos é adaptável aos sabores do mercado, das tendências e das limitações e visões de seus artistas. A primeira é uma história romântica, inspirada na vida pessoal e no sucesso de mercado que havia naquele momento em histórias de amor. A segunda, uma história que tinha um esquema cronológico implícito (Superman não podia ir aos escombros de Krypton, então pediu uma carona a dois policiais alienígenas que atuavam na Terra) e mostrava por que só deveria haver um único kryptoniano na Terra, condições também imposta pelo padrão do mercado de então.

Ambas são boas aventuras e visões distintas de um mesmo mundo ditadas por suas épocas (assim como o é o arco de mesmo nome). Ambas são saborosas.




 

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…