Pular para o conteúdo principal

Superman, 10 histórias, 3ª: Point of View

Se eu olhar para trás não tenho muitas lembranças do Superman pré Crise, mas o motivo é que eu nasci em 1975 e fui educado no primeiro momento com os quadrinhos da Marvel. Tanto que a “primeira história do Superman” que li não é do personagem, é do Superboy (a segunda é da Supergirl).

Eu conheci o Superman na Editora Abril e realmente Superman Special #02 (1984) é a primeira história que li completa do homem de aço. Assim, não tenho tantas lembranças de Lex Luthor como um vilão cientista maléfico. Especialmente por que depois da edição #1, sabendo que as tramas de Action Comics e New Teen Titans iriam se cruzar a Abril decidiu publicar a revisão do herói de 1971, onde, por sua vez, o Luthor (e todos os vilões tradicionais) sumiam por um tempo.

Minhas lembranças de Luthor são as produzidas por Marv Wolfman, Jerry Ordway e John Byrne, um empresário levemente baseado na interpretação de Gene Hackman em Superman, o filme (1978) e malévolo. Não penso apenas em um vilão ruim e confuso, invejoso do espaço que o Superman lhe roubou na imprensa. Penso em um empresário inescrupuloso, malévolo, a incarnação do demo, da mesma forma que fui ensinado pelos pensadores da esquerda a odiar os empresários. Com os anos sarei da doutrinação, mas na fantasia eu poderia me dar ao luxo de continuar.
Então nada mais lógico do que Luthor tenta sabotar a ascensão da raça humana para um próximo passo evolucionário. É certo que hoje sabemos que Millennium (1987/88) não foi tudo isso, mas temos que pensar que foi apresentado como tal: um grupo de escolhidos iria evoluir para a próxima fase da raça humana e iria se transformar em... mais um grupo de heróis! (Ridículo! Eu sei)

Mas Point of View publicado em Adventures of Superman #437 (fevereiro de 1988) produzido por John Byrne & Jerry Ordway (texto), Jerry Ordway (lápis) e John Beatty (finais) mostrou um uso inteligente para um personagem inteligente. Lex Luthor queria provar que a humanidade era fraca, essencialmente egoísta e convida uma das pessoas a serem evoluidas, Celia Windward, para um jantar onde ele narra uma versão de um confronto entre o Superman e Combator, que supostamente deveria estar acontecendo naquele momento.

Mal sabe o empresário, que deseja plantar a semente da dúvida, que um ser humano comum se sacrificou no combate devido a ausência do homem de aço. José Delgado, o Predador, enfrenta o Combator com o auxílio de transeuntes e paga um preço alto por isso.

A arte divide a página em dois painéis, um mostrando a narrativa fictícia de Luthor e noutro mostrando os acontecimentos no conflito Predador e Combator.

Ainda que Millennium tenha se tornado nota de rodapé na história dos quadrinhos, a história é muito boa e merece atenção pela forma odiosa e polida em que apresenta Luthor: diante da possibilidade de que a humanidade avance, o empresário só pensa em implantar a semente da dúvida em seres que poderiam tornar-se deuses.

Se você conhecer algo mais malévolo que isso me avise.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…