Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [3x09] – The rains of Castamere

Penúltimo episódio da terceira temporada da série de TV Game of Thrones, Rains of Castamere, tem cinco tramas que se desenvolvem bem.

A primeira é sobre a invasão de Daario Naharis, Jorah Mormont e Verme Cinzento a uma cidade escravagista, e após a vitória a evidente predileção de Daenerys Targaryen por Daario. Mormont percebe e essa percepção dirigirá seus passos a partir de agora.

A segunda e terceira tramas se encontram. Bran Stark e seu grupo chegam próximos a Castelo Negro e lá o menino Stark descobre que pode dominar Hodor, um humano, o quê é raro mesmo para um warg. O menino envia os lobos Verão e Cão Felpudo para auxiliarem Jon Snow, próximo e já descoberto como traidor pelos selvagens.

Jon mata o warg Orell – que transfere sua consciência para uma águia – e foge como Ygritte. Tormund, no entanto, escapa dando prosseguimento ao ataque dos selvagens.

Bran não interage com Jon e temendo pela segurança de seu irmão, Rickon, pede que Osha leve o caçula para os Umber, enquanto eles seguem para além da muralha. [Nos livros isto acontece ao final do segundo livro, A fúria dos reis, e até a conclusão do quinto não há uma informação exata do que aconteceu com Osha, Rickon e Cão Felpudo.]

A quarta trama também interage com a quinta, que é a trama principal. Arya Stark e Sandor Clegane, o Cão, chegam às Gêmeas a tempo do casamento entre o tio Edmure e uma herdeira Frey. Mas surpresas aconteceram.

E então o casamento...

O casamento em si transcorre na normalidade com a presença do Rei do Norte, seus tios, sua esposa e sua mãe, além de Roose Bolton. Quando o casal sai para a noite de núpcias é que um Frey fecha a porta e outro esfaqueia Talysa na barriga – simbolicamente matando o descendente dos Stark, já que a garota estava grávida – e os músicos flecham Catelyn e Robb Stark!

A cena é tão chocante e surpreendente quanto a morte de Nedd Stark, lá atrás!

Catelyn e Robb ainda tem uma sobrevida, mas os traidores, mesmo tendo fornecido sal e pão, traem o pacto e matam os convidados a mando dos Lannister.

Não fica claro as situações do Peixe Negro Brynder Tully, e do noivo, Edmund. Mas nos livros ambos sobrevivem, sendo o segundo feito prisioneiro.

Percebendo o ocorrido Clegane novamente nocauteia Arya a leva para longe.

Assim o primeiro dos “reis” cuja morte foi pedida por Stannis Baratheon ao deus do fogo cai. Restam dois!

Poderia, no entanto, “algo” ter dado “errado”?

Por sinal, no próximo episódio, mais um casamento; o terceiro da temporada.




















































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…