Pular para o conteúdo principal

Books: Old man's war (2005) de John Scalzi

Old man's war (ISBN 978-0-7653-4827-2, Tor Book, 2005) de John Scalzi é um daqueles livros que após se conhecer tornam-se essenciais. A partir de agora não existirá roda de bate bato sobre livros de ficção em que eu não cite o livro, não esteja ansioso por sua tradução para o português ou por sua adaptação para a TV ou cinema (e dado o estágio atual do cinema, preferencialmente para a TV, como uma série na AMC ou HBO).

O livro é narrado por John Perry, um homem de setenta e cinco anos, que quando completa esta idade visita o túmulo da esposa falecida há nove e, em seguida, se alista na Colony Defense Forces – um novo significado para CDF. Com isso abandona a vida da Terra e parte para as estrelas definitivamente.

Sim, a humanidade alcançou as estrelas, mas passou a disputar novos e raros planetas habitáveis com outras raças também raramente pacíficas. Acredita-se que a CDF tem um processo para rejuvenescer os septuagenários e torná-los ativos, mas ninguém na Terra jamais viu um membro da Força. Boatos correm sobre o processo, mas são apenas conjecturas baseadas em deduções.

* * *

Há realmente uma simbologia. Afinal os homens e mulheres na CDF não são pessoas cheias de nobres ideais. São seres humanos experientes (e experiência conta e muito em uma guerra) que ainda não estão prontos para morrer. Eles tem a opção de viverem em algum asilo esperando a morte ou cumprir um período de dois anos em que a Colony Defense tem a opção para estender para mais oito – e eles sempre usam esta opção. Durante estes dez anos você é da Colony Defense Forces e se sobreviver, poderá receber uma gleba de terra em algum lugar no espaço e fincar a bandeira da Terra.

Porém os índices de perda só no dois primeiros anos são de 75%!

* * *

Divertido, humano e inteligente, Old man's war é um romance de ficção científica militar, mas se concentra nas perdas e conquistas das pessoas e não nas batalhas. Sim, há batalhas. E sim há batalhas emocionantes; mas grande parte do livro é sobre o processo de adaptação à vida militar, o indispensável treinamento (com direito a um sargento irritadiço), a experiência do processo de rejuvenescimento, os novos desafios, o contato com culturas que tem valores diferentes dos nossos e várias dezenas de questionamentos éticos, não somente sobre a ocupação militar, mas também sobre o uso autorizado e não autorizado de material genético. Qual é o limite? Há limite quando se trata de uma guerra em que toda a humanidade está envolvida?

Diretamente o livro não toca no tabu na religião, mas é impossível não comparar a tensão entre a CDF e raça The Consu com a tensão entre muçulmanos e cristãos em relação a uma visão extrema sobre a salvação e o direito ao além; assim como é impossível não questionar quem são os justos herdeiros dos planetas colonizados, já que outras raças também tem suas forças coloniais.

É um livro essencial, que nos oferece uma nova luz para um dos mais tradicionais “ramos” da ficção científica, a ficção militar.

Leia imediatamente!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…