Pular para o conteúdo principal

Stormbringer Livro 3: Sad Giant's Shield

And, if Chaos and Law were observing the Earth and her struggle, who watched these?

Stormbringer é uma coletânea de quatro noveletas de Michael Moorcock que tem como personagem principal o último Imperador Feiticeiro de Melniboné, Elric de Melniboné. A primeira edição da coletânea data de 1.965, publicada no ano seguinte ao encerramento do ciclo.

É comum nos trabalhos de Moorcock que ele revise o trabalho quando publicado em um novo formato, assim o livro A espada diabólica (Livraria Francisco Alves Editora, 1975 tradução da coletânea) tem uma versão mais curta da história.

Stormbringer é composto pelas noveletas Dead God's Homecoming, Black Sword'sBrothers, Sad Giant's Shield e Dommed Lord's Passing. Esta terceira noveleta foi publicada em Science Fantasy #63, em fevereiro de 1.964.

Ao ler a versão presente em Elric The stealer of souls (Chronicles of the Last Emperor of Melniboné: Volume I, Del Rey, 2008) notei que a versão traduzida une as tramas de Dead God's Homecoming e Black Sword's Brothers no conto O advento do caos, que todos as batalhas navais de Sad Giant's Shield, cerca de ¾ do conto, são cortadas em O escudo do gigante triste e que Dommed Lord's Passing transformou-se em A agonia do Príncipe Condenado. No momento não tenho elementos para afirmar que a versão em romance de Stormbringer, ao qual a Livraria Francisco Alves Editora baseou sua publicação em 1975, era uma versão curta das histórias originais ou se, estas presentes em The stealer of souls é que são versões estendidas.

A trata geral do ciclo trata sobre um conflito armado sobre oriente e ocidente e sobre o uso de magia em ambos os lados, desequilibrando a balança que equilibra as forças naquele universo. Tudo leva a crer que será o conflito definitivo entre bem e mal, entre Lei e Caos e que a humanidade sofrerá caso qualquer um dos lados ganhar a guerra.

[A trama]
Jagreen Lern, o teocrata, está muito próximo da vitória definitiva e vem colhendo resultados positivos em diversas batalhas navais, auxiliando por uma frota mística e um monstruoso capitão, chamado Pyaray.

Avisado por Sepiriz da existência de um escudo místico de um gigante chamado Mordaga – anteriormente um deus – Elric, Moonglum, Dyvin Slorm e Rackhir vão em busca desta arma para fazer a diferença na guerra.

Conseguirão chegar a tempo? Conseguirão fazer a diferença?

[Comentários]
Certamente uma noveleta que passou por diversas revisões da versão traduzida que li em A espada diabólica, a história gastas ¾ de seu roteiro nos enfrentamentos navais das forças dirigidas por Elric contra a Frota do Caos, que passa a transmutar seres vivos e especialmente espiões, exatamente a parte “cortada” na versão traduzida. O quarto final é a viagem e a “luta” pela posse do escudo e seu uso imediato.

Moorcock claramente foge do perfil clássico da sessão de RPG: para destruir o inimigo tome posse desta arma que te fará invencível. Por isso muito da história é sobre as mudanças que estão acontecendo na Terra e sobre os “até a vista”, repetidos diversas vezes. Em alguns momentos Elric vê-se cercado de amigos como Rackhir e Straasha, este último lorde dos oceanos e figurinha fácil no elenco da série.

Novamente a sede de poder de Stormbringer influencia Elric que toma a vida de pelo menos dois companheiros de batalha e novamente a companhia do príncipe albino faz com que alguém sofra uma dor maior. Isto leva a reflexão de que o próprio príncipe albino é amaldiçoado e que sua maldição alcança a todos que estão em seu entorno.

Um dos questionamentos indiretos que Moorcock faz em seu texto é o mote central de Watchmen de Alan Moore – amigo do autor e escritor da introdução da edição que possuo: quem vigia os vigilantes? Quem está vigiando o Caos e a Lei enquanto ambos estão vigiando e influenciado as ações na Terra? Seriam os humanos apenas bonecos nas mãos de seres que não se importam com seu destino, algo que na obra seminal de Moore é representado pelo heróis e vilões?

Deveria existir uma força suprema e imparcial que julgue a tudo e todos? Esta imparcialidade benéfica para algum dos lados da guerra?

As imagens que compõem este post são da série Elric: Stormbringer (1997) escrita e desenhada por P. Craig Russell e publicada em sete números pela Dark Horse/Topps Comics.





 



 

 





Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…