Pular para o conteúdo principal

Os dias da peste


Os dias da peste de Fábio Fernandes (Tarja Editorial, 1ª edição, outubro de 2.009, São Paulo, ISBN 978-85-61541-18-7) faz uma narrativa imaginativa sobre uma possibilidade default dos leitores de ficção: e se os computadores desenvolvessem o raciocínio?

Por default digo que sempre houve no imaginário dos leitores a ideia do domínio pelas máquinas. Se a tecnologia do presente do conto (2010) não permite esta extrapolação máxima – robôs escravizando gente – consegue facilmente criar o medo de algo mais palpável: que as parafernálias tecnológicas que usamos desenvolvam consciência e passem a interagir conosco.

De ter consciência para exigir direitos é um pulo.

E deste pulo, para outro ainda maior, não é outro pulo; basta um passo.

* * *

O autor usa recursos interessantes. Seu personagem principal, Arthur, é um professor universitário que presta serviços técnicos na área de informática, daí o convívio com a “peste” desde o primeiro momento em que as máquinas passam a apresentar sinal de consciência. Primeiro são tratadas como infectadas por um vírus, depois se entende que, por algum motivo, as máquinas desenvolveram status de sencientes. O motivo é inteligentemente oculto, mas as citações diretas à “Disque F para Frankestein” de Clarke deixam claro a suspeita. Eu, que já conhecia o conto, via semelhanças e fiquei surpreso quando o autor cita a fonte.

Outro recurso é que a história é narrada no futuro a partir do resgate de informações do blog do personagem principal, uma variação da literatura epistolar. Funciona e deixa a dúvida sobre o quê aconteceu ao fim do romance.

Fã de ficção, Fábio Fernandes reverencia e cita todos os autores da primeira linha e mesmo autores como Warren Ellis, que chegaram lá por caminhos tortuosos – afinal Transmetropolitan é cyberpunk e Planetary é quase inclassificável de tão cosmopolitana, mas ficção de primeira. E afinal o bom doutor já havia dito que sci-fi é o tema mais cosmopolita que existe.

O livro às vezes perde a velocidade por ser absolutamente didático, e poderia facilmente entrar em qualquer grade de bibliografia básica para um curso de ciências da computação ou cursos de tecnologia da informação. Outro detalhe é que Fernandes cita uma dúzia de livros básicos do gênero, além de uma dúzia e meia de autores. Os curiosos podem sentir-se iniciados aqui (mais um motivo para o livro estar em uma bibliografia básica e ser leitura obrigatório no primeiro semestre da faculdade).

Nada disso, porém, é impedimento para uma leitura saudável, divertida e rápida.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…