Pular para o conteúdo principal

Justice League, The Satellite Years 1974


Em fevereiro “The doom of the divided man!” (#109) traz uma trama com dois focos. Um é centrado na aventura. John Smith, a identidade civil do Tornado Vermelho, trabalha para Bruce Gordon, o cientista que se transforma no Eclipso.

Durante uma experiência ocorre um acidente e surgem três formas do vilão que a equipe se divide para enfrentá-lo. A Liga derrota as formas com relativa facilidade. Mas era um plano do vilão para ser levado ao Satélite, tomá-lo e utilizá-lo para chantagear o mundo.

A segunda trama da edição é que o Gavião Negro e a Moça-Gavião foram convocados para retornarem à Thanagar. Katar comunica aos colegas a decisão e tem tempo para viver uma última aventura com a equipe, além de deixar claro que não há uma rusga real entre ele e o Arqueiro Verde.

Abril vem com a edição de Natal de 1.973 (em função da cover date, a “data de capa” norte-americana que mostra quando a edição é recolhida e não quando é disponibilizada). A edição #110 é uma “100 super spectacular pages” com uma aventura de Natal e dois reprints, modelo que seria seguido. A aventura de Natal é “The man who murdered Santa Claus!” onde The Key, com câncer terminal, decide vingar-se da equipe que o derrotou e cria uma armadilha para os heróis. Basicamente é aquele roteiro do local cheio de armadilhas, divisão da equipe, etc, acrescentando aqui a temática natalina. A partir desta edição o Tornado Vermelho passa a usar o uniforme “clássico” que todos nós o conhecemos.

Há mais dois pontos interessantes nesta história. O primeiro é a segunda participação do Vingador Fantasma em uma aventura dos heróis, novamente usando o recurso deus ex machina. O segundo é que Hal Jordan, molhado, escorrega ao sair do banheiro, cai e fica desacordado. O anel, atendendo ao chamado da LJA convoca o Lanterna Verde substituto John Stewart e ninguém mostra preocupação maior com o motivo da ausência de Jordan.

Na edição seguinte (#111) a DC apresenta uma segunda edição “100 pages” que vem novamente com uma história inédita e dois reprints. “Balance of Power” traz a LJA (Aquaman, Batman, Homem Elástico, Flash, Lanterna Verde e Superman) contra a Gang da Injustiça (Chronos, Mestre dos Espelhos, Hera Venenosa, Espantalho, Ladrão das Sombras e Tatuado).

Libra, organizador da Gang da Injustiça, supostamente deseja criar um equilíbrio entre o bem e o mal; equilíbrio que a existência e as vitórias seguidas da Liga estão rompendo e para tanto reúne vilões para confrontarem a Liga. Por sinal a equipe de vilões tem um satélite também em órbita geoestacionária há 22.300 milhas, mas no lado oposto da Terra.

Não há muita novidade na trama. Os vilões atacam em duplas em vários locais e a Liga vai atrás deles também em duplas ou solo, o velho esquema de dividir. Os heróis vencem os vilões, mas são alvejados à traição pelo Libra, que usa um equipamento científico para roubar metade dos poderes dos heróis.

Por fim, Libra decide absorver metade da energia da Via Láctea e com a fuga da LJA isto sai do controle e ele se funde ao universo. Poderia ter rendido mais.

O formato “100 pages” continua na edição #112 (agosto) que vem com a inédita “War with the one-man Justice League!” e reprints.

Os heróis não recuperaram a metade dos poderes absorvida pelo Libra na edição anterior e, com depressão, decidem reativar Amazo para utilizá-lo para recuperarem seus poderes. É uma história bem pseudo-ciência. Amazo iria absorver as tais moléculas perdidas e os heróis iriam reaver os poderes. Então a história passa a ser dividir a equipe, acionar o equipamento, fugir de Amazo que deseja o poder para si e derrotar o andróide.

Fica claro que o fascínio de Grant Morrison por Batman na Liga tem origem nesta época, que ele certamente leu, vide Libra e The Key. Aqui o homem-morcego com metade de seu intelecto deduz o plano de Amazo e leva o Superman a dizer “Even half a Batman is better than just about anyone eles combined!”. Outra aventura que poderia ter rendido mais, apesar de uma premissa esquisita, que foi usar o robô que combina os poderes de todos os justiceiros para auxiliá-los a recuperarem seus poderes.

A edição de setembro (#113) conta a simples e comovente história “The creature int the velvet cage!”, o team-up da Liga & Sociedade deste ano – veja o review aqui. A editora continua no formato 100 pages mas prefere cortar os excessos dos encontros, tornando-o uma história solo. Curiosamente na edição seguinte republica Crisis on Earth-Three! (veja o review aqui).

E para terminar, mais o último 100 pages for only 60¢ do ano, com o reprint da crise na Terra-Três e a aventura “The return of Anakronus” (#114, novembro), onde um viajante do tempo sequestra Snapper Carr e sua família para chantagear e derrotar a Liga, fazendo-os pagar para destruição de seu equipamento e pelos anos de frustração a bagatela de 10 milhões – que a equipe está coletando em um programa de TV. Não funciona, é claro! Nem a ameaça nem a história, que talvez tentasse iniciar uma reaproximação entre Carr e a equipe. O garoto, o mascote que traiu a equipe meses antes, não consegue soar muito diferente do sidekick Rick Jones da Marvel Comics.

Ano estranho. Algumas histórias poderiam funcionar bem como a com a Gang da Injustiça, afinal toda equipe de heróis tem uma equipe rival composta por adversários, ou talvez com o encontro com a Sociedade, mas fica-se com o sentimento de histórias pequenas em edições grandes (todas 100 pages) e que Len Wein não teve uma produção tão boa quanto a do ano anterior. Uma pena.

Todos as aventuras Len Wein, Dick Dillin e Dick Giordano.


The Satellite Years
Ano
Edições
#78-86
#87-95
#96-103
#104-108
1974
#109-114



















Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…