Pular para o conteúdo principal

The New Titans: A nova Turma Titã, War of the Gods e Armageddon 2001

Naquele momento da indústria a DC Comics e a Marvel Comics tinham dois padrões de séries anuais de eventos que coincidiam com o verão norte-americano: um era uma série mensal em várias partes que ligava as séries mensais dos personagens da editora (por exemplo War of the Gods ou Desafio Infinito) e outra era um evento que transcorria na edição “annual” dos personagens da editora (Armageddon 2001 ou A guerra do Alto Evolucionário, são exemplo).

Então no meio dos eventos de War of the Gods e de Armageddon 2001 estava a série The New Titans em transição, com uma dezena de personagens novos ou em transformação e obrigada a ter uma relação com ambas as séries – os famosos tie-ins ou os cross-overs, que são coisas diferentes na indústria.

Marv Wolfman até que costurou bem os retalhos desta colcha. Se ao final dos eventos das edições #75/76 os Titãs viram a explosão de um míssil contendo um titã e a Torre foi destruída, desejosos de encontrar os companheiros nossos heróis rumam para a URSS onde encontram o Ciborgue sem memória e reconstruído a arte de tecnologia – inferior – russa. Era mais uma tentativa de tornar a série e os personagens bélicos, outro padrão da indústria dos quadrinhos naquele momento. A partir de então Estrela Vermelha – um antigo Titã de origem soviética – passa a integrar a equipe para garantir a segurança da tecnologia russa.

Donna Troy e seu marido Terry Long, retornam à Nova Iorque, descobrem o ataque e a Torre em escombros – por sinal, um grande inconveniente para a cidade de Nova Iorque, pois causou incêndio na 1ª Avenida, a prefeitura teve que enviar mão de obra para trabalhar nos restos da Torre e uma vereadora pretende fazer do ataque aos heróis sua plataforma para reeleição. Os Titãs se encontram e conseguimos descobrir um pouco as motivações – não exatamente claras – do traidor. Especialmente por causa da recuperação da voz sabemos que há algo a mais na história.

Então em um novo ataque dos Gnus, Asa Noturna é capturado e Donna sequestrada – ela, de um jeito muito misterioso.

Assim, nas edições #79-80 e Annual #07 descobrimos o Lorde Caos, um déspota tirânico de um futuro alternativo que por acaso é filho de Donna Troy e um deus, pois herdou os poderes da mãe e enlouqueceu graças à sua natureza de semi-deus!

Mas naquele futuro um personagem misterioso treina e mantém várias “Turmas Titãs” - geralmente de seis a sete membros – e decide que o melhor é enviar suas tropas para o passado para impedir que Caos nasça. Ou seja, matar Donna Troy. Há várias pistas – desconexas – de quem seria o misterioso chefe das Turmas Titãs, mas a DC Comics e Wolfman preferiram criar um desnecessário mistério.

Surge com isso, toda uma geração de “novos” Titãs e pelo menos uma versão futura de um membro pré existente, uma versão de Asa Noturna de um mundo onde os Titãs nunca foram encontrados. Ou seja um Dick Graysson ainda mais paranóico.

Só para lembrar, Armageddon 2001 foi uma série onde em 2.001 um herói traí todos os outros e os mata. O traidor assume a identidade de Monarca e esconde da população quem um dia foi. Vinte anos depois, Matthew Ryder, um cientista, retorna a 1.991 – ganhando poderes no processo – para descobrir quem é o traidor e impedir a traição. Com isso ele investiga futuros possíveis dos principais heróis da editora. A série é famosa por ter deixado escapar a identidade do Monarca antes do fim e a editora ter decidido alterar, tornando o remendo bem pior que o soneto – e olha que este soneto já era ruim.

Mas voltando ao presente, Donna não havia sido sequestrada nem pela nova Turma Titã, nem pelos Gnus ou mesmo por Lorde Caos e sim convocada pelos deuses. A edição #81 (inédita no Brasil) é desenhada por Curt Swan e serve para reapresentar o personagem Pária e a titã Lilith que disse ter respostas para o paradeiro de Donna. Ele não tinha uma resposta concreta e a edição é perdida com uma apresentação da origem de Pária e uma vinculação entre ele e Terry, esposa de Donna.

Ao final da edição Donna retorna e avisa sobre a urgência do evento War of the Gods onde Pária teria uma parceria de relativa importância, e por isso tinha que ser reapresentado aos leitores.

Tudo em The New Titans v1 # 77-81 e The New Titans Annual #07, por Marv Wolfman, Tom Grummett e Al Vey, com auxílio de Curt Swam, Kerry Gammill, Paris Cullins, Tom Grindberg, Will Blyberg e Ian Akin.
























Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…