Pular para o conteúdo principal

Os Eternos no Brasil

Os Eternos foram publicados pela Bloch Editores na série do Capitão América que também trouxe o traço de Jack Kirby, mas é na Abril Jovem seu maior trajetória.

Em julho de 1984, como parte de um conjunto de novas séries que a editora lançou em um curto espaço de tempo (Micronautas, Guerra nas Estrelas, Indiana Jones, Manto & Adaga, foram outras) a Abril lançou os Eternos em Superaventuras Marvel # 25. Na edição seguinte lançou o número 2, na 33 o terceiro número que deu sequência até o sétimo em SAM # 37. Retornou com a edição 8 em SAM # 40, dando seqüência até a edição 12, que foi publicada em SAM # 44.

Na edição # 48 de junho de 1986 (dois anos depois do início da trama), a Editora Abril publicou a 13ª edição, que encerrou prometendo o retorno em breve com um confronto entre Ikaris e Hulk, que nunca veio. Restam 7 tramas inéditas.

Kirby foi derrotado por textos mais condizentes com o mercado, já que na época Superaventuras Marvel publicava The Uncanny X-Men de Chris Claremont & Dave Cockrum, Daredevil de Frank Miller & Klaus Jason e Tropa Alfa de John Byrne, mais relevantes para a cronologia e necessitavam de espaço.

Certamente o erro foi da editora, que sabia que a série já havia terminado (em 1979, cinco anos antes do início da tradução!) e deu espaço para a trama.

Temos que ser sinceros: se não pode culpar a Abril. A trama era parada, e sofria do mal constante das tramas de Kirby: diálogos ruins e plot confuso e que não progredia durante a série. Depois das trezes edições publicadas já conhecíamos bem os Eternos, mas nada de concreto sobre os objetivos dos Celestiais.

Note que assim como a trama dos Novos Deuses na DC Comics, a saga dos Eternos não teve um “fim formal” nas mãos do autor, deixando para outros autores a conclusão das tramas.

Além da conclusão, nas tramas de Thor # 280 a 300, com Roy Thomas, os Celestiais foram de grande importância na fase de Tom De Falco & Ron Frenz, bastante calcada nos conceitos de Jack Kirby. Na edição # 424 da série The Mighty Thor (Superaventuras Marvel # 147) é possível ver o nascimento de um “deus do espaço”.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!