Pular para o conteúdo principal

Os Eternos no Brasil

Os Eternos foram publicados pela Bloch Editores na série do Capitão América que também trouxe o traço de Jack Kirby, mas é na Abril Jovem seu maior trajetória.

Em julho de 1984, como parte de um conjunto de novas séries que a editora lançou em um curto espaço de tempo (Micronautas, Guerra nas Estrelas, Indiana Jones, Manto & Adaga, foram outras) a Abril lançou os Eternos em Superaventuras Marvel # 25. Na edição seguinte lançou o número 2, na 33 o terceiro número que deu sequência até o sétimo em SAM # 37. Retornou com a edição 8 em SAM # 40, dando seqüência até a edição 12, que foi publicada em SAM # 44.

Na edição # 48 de junho de 1986 (dois anos depois do início da trama), a Editora Abril publicou a 13ª edição, que encerrou prometendo o retorno em breve com um confronto entre Ikaris e Hulk, que nunca veio. Restam 7 tramas inéditas.

Kirby foi derrotado por textos mais condizentes com o mercado, já que na época Superaventuras Marvel publicava The Uncanny X-Men de Chris Claremont & Dave Cockrum, Daredevil de Frank Miller & Klaus Jason e Tropa Alfa de John Byrne, mais relevantes para a cronologia e necessitavam de espaço.

Certamente o erro foi da editora, que sabia que a série já havia terminado (em 1979, cinco anos antes do início da tradução!) e deu espaço para a trama.

Temos que ser sinceros: se não pode culpar a Abril. A trama era parada, e sofria do mal constante das tramas de Kirby: diálogos ruins e plot confuso e que não progredia durante a série. Depois das trezes edições publicadas já conhecíamos bem os Eternos, mas nada de concreto sobre os objetivos dos Celestiais.

Note que assim como a trama dos Novos Deuses na DC Comics, a saga dos Eternos não teve um “fim formal” nas mãos do autor, deixando para outros autores a conclusão das tramas.

Além da conclusão, nas tramas de Thor # 280 a 300, com Roy Thomas, os Celestiais foram de grande importância na fase de Tom De Falco & Ron Frenz, bastante calcada nos conceitos de Jack Kirby. Na edição # 424 da série The Mighty Thor (Superaventuras Marvel # 147) é possível ver o nascimento de um “deus do espaço”.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…