Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [2x03] - What Is Dead May Never Die

Exibido em estreia mundial em 15 de abril de 2.012, o terceiro episódio da segunda temporada da série de TV Game of Thrones continua o preparo para o conflito que longo chegará.




Além da Muralha, Jon Snow descobre que os segredos e devoções de Craster não são desconhecidos do Lorde Comandante Mormont. A surpresa é parte do processo de amadurecimento do personagem para o papel de um futuro líder: ter que lidar com atitudes e pessoas que nem sempre são honestas. A afeição entre Goiva e Sam continua a aumentar, mesmo sob o aviso do pai/esposo da moça.

Bran Stark tem várias visões e percebe-se como um “troca-peles” com seu lobo. Na mitologia da série, troca-peles não é um lobisomem, mas alguém que consegue entrar na mente de uma animal, agir e ver o que ele vê. Para o menino é prazeroso em função de sua paralisia. Note ao longo dos episódios que os lobos sentem tudo que seus donos sentem e agem como eles.

Brienne de Tarth, uma donzela guerreira que ama e serve Renly Baratheon, derrota Loras e ganha o direito de integrar a guarda de “seu rei”. Atenção especial, por que será uma personagem de importância fundamental para várias tramas que virão.

Catelyn Stark chega ao acampamento de Renly com a função de negociar um acordo entre seu filho Robb, que se diz “rei do norte” e Renly, que se considera herdeiro de Robert Baratheon. Deve ficar claro que na ausência de filhos o herdeiro é o irmão mais velho – Stannis – e jamais o mais novo. Renly sustenta seu pedido na impopularidade de seu irmão mais velho.

Por sinal a má fama de Renly, graças à sua homossexualidade, obriga ao próprio Loras que o lembre de suas funções como marido. Margaery, a esposa de Renly, ainda continua virgem!

Alguns não se lembram mas nos livros Margaery foi preparada por Renly para tornar-se amante e posteriormente Rainha de Robert, num plano para um golpe contra os Lannister, que nunca foi trabalhado a fundo por que Renly e Loras não são personagens narradores. Ela supostamente é fisicamente semelhante à irmã falecida de Ned Stark, que era dona do amor de Robert. Com a morte do irmão Renly fugiu da capital, aliou-se à família da moça – dona de 100 mil soldados – e passou a reclamar o trono.

Ainda nos livros, Catelyn Stark ficou impressionada com a semelhança física entre Renly e Robert quando com a mesma idade. Este é um dos motivos da ascensão de Renly, fisicamente parecido com o rei, popular, com uma bela esposa e capaz de dar ao povo pão e circo.

Margaery, que não é verdadeiramente virgem, conhece a condição do relacionamento entre o esposo e seu irmão.

Em Pyke Theon Greyjoy sofre com o descaso da família e sua ânsia de conquistas. Para conquistar o coração do pai aceita se batizar ao seu deus próprio.

Tyrion tem dificuldades para gerenciar sua amante e escondê-la. Torna-a serva de Sansa Stark. Isto corta toda uma trama dos livros sobre escondê-la em um bordel e ter acesso através de passagens secretas com o auxílio de Varys.

Mesmo tendo que se preocupar com a saúde física de sua amante isto não afasta o Duende de suas atenções. Tencionando descobrir alguém que não seja de sua confiança no Pequeno Conselho, conta três versões de uma história a Meistre Pycelle, Mindinho e Varys, sobre enviar a Princesa Myrcella para o casamento em troca de apoio político e militar. Pycelle o trai, relatando o caso para a Rainha Cersei e a Mão do Rei o envia para a prisão.

Cersei tenta impedir o acordo, mas cede diante da força dos argumentos, não sem antes aumentar seu ódio em relação ao irmão.

O grupo de enviado para a Muralha onde encontram-se Gendry e Arya Stark, é atacado por causa da resistência em entregar o bastardo. O patrulheiro guia é morto e Arya consegue mentir sobre o destino do amigo, aproveitando que um menino assassinado havia roubado o elmo que identificava Gendry. Eles agora seguem para o Castelo assombrado de Harrenhall.

Durante o ataque Arya salva três prisioneiros, ganhando assim três favores (3 mortes) de um dos salvos.







































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…