Pular para o conteúdo principal

Before Watchmen: O quê que desejam os homens de negócio?

Quando a Warner avisou que estaria pensando em fazer uma continuação para o filme Watchmen eu pensei “vem merda”. E veio.

Executivos querem dinheiro e não pensam em arte. Ao contratar um executivo distante do mercado dos quadrinhos e mais próximo do mercado dos negócios, a DC Comics mudou seu foco gerencial. Ela quer fazer dinheiro. E rápido.

Ninguém pensa em arte no âmbito dos negócios dos quadrinhos. Os editores querem produtos que se vendam em vários formatos e de forma contínua. Uma obra que vende 5 mil encadernados por mês ¼ de século depois de seu lançamento é um exemplo a ser seguido e imitado.

Não pensem que eles não querem o evento arrasa quarteirão que só vende 250 mil cópias no lançamento, porque eles querem. Querem este arrasa quarteirão e a série pequena, que se faz bem no mercado de encadernados.

Eles – os homens de negócio – querem tudo!

Certamente muitos acreditam que ninguém deveria fazer prelúdios ou continuações de obras importantes. Mas tudo depende da importância que se dá ao fato ou à obra. Sabia que há uma “sequência” para O senhor do anéis? É um romance chamado “O último anel” que narra os eventos do lado do exército do vilão. Interessante, o livro foi publicado em Portugal pela “Saída de Emergência” e ainda permanece inédito no Brasil (o quê não significa nada, já que pouco mais de um ano atrás As crônicas de gelo & fogo de George R R Martin também estava inédita no Brasil e ninguém sabia o que era Westeros).

Quem leu e me comentou achou uma leitura divertida e que poderia agregar algo ao romance original. Mas é um apêndice. Algo que sobrou. Algo que não foi o autor que criou.

Talvez alguns fãs não imaginassem que autores do calibre dos contratados se interessariam. Mas como disse Chris Claremont (no programa Almanaque do canal Globo News, exibido em 5/2/2012), quando perguntado pela repórter sobre a origem da criatividade, respondeu sobre a necessidade de produzir para pagar suas despesas pessoais.

Estes autores estão sendo contratados e aceitaram o contrato de modo que assim pagassem suas despesas pessoais.

Mas você leitor não precisa comprar a série!

Ignore completamente!

Defenda com unhas e dentes a posição de que Watchmen é uma obra única e definitiva e que não precisa de prelúdios, derivados ou sequências.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…