Pular para o conteúdo principal

Criar um DVD semi-profissional no Linux, Parte 1

O software livre/código aberto (SL/CA) sofre bastante com usuários super sábios que usam o sistema apenas para tarefas administrativas, criando a ilusão de um sistema operacional (SO) que apenas gênios poderiam usar.

Parte do processo de popularização do sistema operacional irá acontecer quando os usuários o utilizarem para as mesmas funções corriqueiras que utilizamos o software privado. As pessoas necessitam aprender a usar as distribuição GNU/Linux ou continuarão distintas, com receio de se aventurarem nestas plagas.

Eu assisto bastante séries de TV, mas o local onde está o computador em minha residência não favorece a permanência de duas ou mais pessoas, seja por calor no verão ou desconforto. O ideal é assistir na sala, no televisor usando o próprio ou o DVD, através da conexão USB de ambos.

Mas nem sempre funciona. A legenda fica “fina” ou se houver muitos caracteres parte do texto se perde.

Uma solução que encontrei é planejar com antecedência e converter os arquivos AVI (arquivos de vídeo) em formato de DVD que possam tocar em qualquer aparelho. É um processo um pouco lento pois demora cerca de quatro horas para converter quatro episódios de 350 Mb (o tamanho padrão das séries de TV de 42 minutos) e mais uns quarenta minutos para gravar. Apesar de ser um processo chato e que necessita de planejamento, o resultado é mais interessante para o expectador, gerando um DVD que pode conter até quatro episódios de 350 Mb ou três de 550 Mb com folga.

Para gravar os meus vídeos eu utilizo um computador padrão que adquiri em 2.005, ou seja, não é uma máquina de ponta comprada com este objetivo. Ele tem 1 Giba de RAM e HD de 500 Gb, comprado recentemente. Uso a distribuição GNU/Linux chamada Ubuntu, versão 10.10, o quê também deixa claro que não são programas de ponta, a última palavra em tecnologia. Por conveniência utilizei outra máquina para capturar as telas e testar o tutorial que apresento agora. Usei no teste um notebook Positivo padrão com o Ubuntu 11.10, o K3B e o Devede DVD/CD Video Creator.

Após a conversão o programa irá criar um arquivo ISO na pasta do usuário local chamada “MOVIE”. Basta queimar um DVD e tudo estará pronto.

Antes de mais nada devemos lembrar outra utilidade para o uso do programa: conversão de vídeos capturados com a câmara fotográfica digital para distribuir entre os presentes na comemoração. Experimente gravar um vídeo da festa de Natal e presentear os amigos com uma cópia dele que poderá tocar em qualquer residência, basta que tenham um DVD comum.

Bem, agora a receita. Usaremos:
  • Um computador IBM-PC com Ubuntu 10.10 ou superior instalado e atualizado e com unidade de gravação de DVD;
  • K3B (software para gravação de mídias como cd e dvd, disponível através da Central de Programas no Ubuntu). Por padrão o Ubuntu já vem com um gravador de CD/DVD, mas eu gosto da interface amigável do K3B.
  • Devede DVD/CD Video Creator(software para conversão de arquivos de vídeo para o formato de Super CD ou DVD, também disponível através da Central de Programas no Ubuntu).
  • Arquivos de vídeo – seja a série de TV, seus arquivos pessoais ou um show gravado ou baixado da net.
  • Arquivos de legendas – se houver.

Um detalhe. De modo a não encorajar a pirataria, irei utilizar os arquivos de uma série chamada “Pioneer One”, uma série de ficção produzida com dinheiro dos colaboradores e distribuída na rede. Procure por eles em <www.torrentz.com> ou <www.minova.com> ou no site da série.

Como este programa de conversão permite vários canais de áudio e legendas, vou usar as legendas disponíveis no site <www.legendas.tv>, que distribui legendas em português e é gratuito, mas necessita de cadastro para fazer o download. Acesse e verifique.

Usuários mais criativos podem buscar arquivos em formato RMVB já dublados de suas séries preferidas. Arquivos RMVB costumam ter um tamanho inferior aos arquivos AVI, porém tem uma definição também inferior.

Instalação de Programas
Passo 0: Entre na Central de Programa do Ubuntu e instale o K3B e o Devede DVD/CD Video Creator. O processo de instalação irá necessitar da senha do administrador e necessitará haver conexão de Internet. À velocidade de 600 Kb a instalação não toma mais do que cinco minutos, entre download e instalação propriamente dita.

Passo 0.1: Crie uma pasta e ponha lá os arquivos de vídeo e legendas (se houver). Procure usar o mesmo nome para ambos, para facilitar a compreensão. Algo como “Pioneer One [1x01] – Piloto”, tanto para o arquivo de vídeo (que terá a extensão AVI), como para o arquivo de legendas (que terá a extensão SRT). Lembre-se que ao salvar os arquivos na mesma pasta com nomes semelhantes irá permitir que tanto o Windows quanto nossas distribuições GNU/Linux toquem o arquivo de vídeo com a legenda automaticamente no Reprodutor de Vídeo (Ubuntu) ou no Media Player (Windows).

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…