Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [1x09] – Baelor

O nono episódio da série de TV Game of Thrones produzida pelo canal por assinatura HBO baseada na série de sete livros de George R R Martin A song of ice and fire, certamente é o mais impactante.

Varys procura Eddard Stark na prisão e parece tentar convencê-lo de que o melhor é confessar uma traição (que não houve, lembre-se) a morrer. Varys revela ter conhecimento do segredo sobre a origem dos filhos de Robert, mas nunca quis contar nada ao rei, mesmo sendo ele o “senhor das aranhas”, responsável pelos boatos, fuxicos e segredos.

Numa sequência não mostrada Sansa consegue convencer o pai que aceita ir à praça pública dizer seu “crime”.

No norte Robb Stark assume o papel de líder militar e consegue unir o povo do norte, não sem antes enfrentar algumas pequenas insatisfações. Num plano ousado e trabalhando com a percepção errada de um espião infiltrado, divide seu exército de forma desigual enviando dois mil homens para a morte certa contra Lorde Tywin Lannister, enquanto enfrenta a tropa de Jaime Lannister, capturando-o.

Em função de ter salvo o Lorde Comandante, Jon Snow cai nas graças e recebe “de presente” o envio de Lorde Thorne para Porto Real, já que certamente os dois iriam enfrentar-se em algum momento. Além disso recebe uma bela espada de aço valiriano de presente – este real, físico.

A ferida de Drogo infecciona e Daenerys começa a ser questionada em sua liderança. Jorah Mormont teme pela segurança da khaleesi. A bruxa inicia um complexo ritual para salvar Drogo, começando pelo sacrifício de seu cavalo, um animal sagrado para os dothraki. Daenerys é empurada por Qoho, e este enfrenta Jorah que o mata. Infelizmente, Daenerys entra em trabalho de parto e tem que partilhar a mesma tenda em que está sendo feito o feitiço para salvar a vida de Drogo, algo que foi proibido.

Tyrion parte para a batalha com seu mercenário, as tribos do vale e seu pai, ele sobrevive para descobrir que estava certo sobre a estratégia de Robb Stark.

Arya no mercado descobre que a mão do rei irá à audiência pública, e vê o pai amarrado confessar a falsa traição. Apesar da clara opção sacientada por Cersei Lannister de manter o lobo preso, enviando Lorde Eddard Stark de volta para o norte sem posses e sem títulos, numa posição humilhante e ainda tendo que vestir o negro da Patrulha da Noite, Joffrey para surpresa de todos decide matar o nobre cortando-lhe a cabeça!

E assim o faz para surpresa do Conselho, de Cersei e as lágrimas de Sansa. No caminho para o cadafalso, Ned pede a um membro da Patrulha que resgate Arya. Este membro é Yoren, o mesmo patrulheiro que retornou com Tyrion da Muralha e chegou a semanas em Porto Real, avisando Ned Stark sobre a prisão do duende Lannister.

Ned é sacrificado no ato de loucura de Joffrey. O primeiro de muitos.






















Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…