Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Sociedade da Justiça #01: Semente ruim

Seria mentira se dissesse aos meus leitores que não gosto da equipe de heróis Sociedade da Justiça da América. Adoro as aventuras da equipes e adoro o quê ela tornou-se: um referencial para as equipes mais jovens.

No entanto depois de mais de cem edições orientadas por Geoff Johns como seria a chegada de uma nova equipe criativa?

Uma resposta é: inexpressiva. Bill Willinghan & Matthew Sturges (roteiro) e Jesus Merino (arte) não acertam e erram feio e a culpa não é do desenhista.

A trama fala de um novo elaborado plano de vilões para derrotar a equipe infiltrando-se, derrubando o Manto Negro (que vive ligado à construção da equipe) e depois ferindo mortalmente o Senhor Incrível. Enquanto isso os heróis enfrentam vilões que concorrem por prêmios para cada herói derrubado.

Infelizmente a caracterização não convence e parece forçada, mesmo quando as argumentações de Magog são boas. A caracterização anterior da SJA como uma grande família impede de ser convencido com os problemas apresentados por Willinghan & Sturges. Estavam todos sorridentes e felizes e de repente baixou um espírito de desordem na equipe.

A edição, cara por sinal, vem com 164 páginas a R$ 17,90 e dá a entender que terá um segundo volume para continuar apresentar as aventuras da SJA que não foram mostradas durante a “revolu$ão” Panini. Reúne Justice Society of America #29 a 35, mostrando assim sete aventuras.

A falha também fica apresente em não deixar claro se irá apresentar a equipe SJA Invencíveis. Explico: ao final da edição #33, devido à quantidade de membros e a diferenças de tom entre Magog e os membros mais antigos, a equipe se divide criando uma nova série, chamada em inglês de JSA All-Stars que iria concentrar os personagens mais belicistas e em treinamento. Nos EUA a série durou pouco mais de um ano e já teve seu fim anunciado.

O tom de Willingham, autor de Fábulas, provou-se inadequado tanto que foi afastado ao final do segundo arco e substituído por uma nova equipe de criação.

É uma pena que um material tão fraco possa afetar o histórico da equipe e impeça que a médio prazo a Panini re-edite os bons arcos de Johns e companhia em encadernados.

Uma pena.

Vale lembrar que além de Justice Society of America e JSA All-Stars também tiveram séries mensais Magog e Poderosa, ambas séries desligadas da cronologia da Sociedade.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!