Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Sociedade da Justiça #01: Semente ruim

Seria mentira se dissesse aos meus leitores que não gosto da equipe de heróis Sociedade da Justiça da América. Adoro as aventuras da equipes e adoro o quê ela tornou-se: um referencial para as equipes mais jovens.

No entanto depois de mais de cem edições orientadas por Geoff Johns como seria a chegada de uma nova equipe criativa?

Uma resposta é: inexpressiva. Bill Willinghan & Matthew Sturges (roteiro) e Jesus Merino (arte) não acertam e erram feio e a culpa não é do desenhista.

A trama fala de um novo elaborado plano de vilões para derrotar a equipe infiltrando-se, derrubando o Manto Negro (que vive ligado à construção da equipe) e depois ferindo mortalmente o Senhor Incrível. Enquanto isso os heróis enfrentam vilões que concorrem por prêmios para cada herói derrubado.

Infelizmente a caracterização não convence e parece forçada, mesmo quando as argumentações de Magog são boas. A caracterização anterior da SJA como uma grande família impede de ser convencido com os problemas apresentados por Willinghan & Sturges. Estavam todos sorridentes e felizes e de repente baixou um espírito de desordem na equipe.

A edição, cara por sinal, vem com 164 páginas a R$ 17,90 e dá a entender que terá um segundo volume para continuar apresentar as aventuras da SJA que não foram mostradas durante a “revolu$ão” Panini. Reúne Justice Society of America #29 a 35, mostrando assim sete aventuras.

A falha também fica apresente em não deixar claro se irá apresentar a equipe SJA Invencíveis. Explico: ao final da edição #33, devido à quantidade de membros e a diferenças de tom entre Magog e os membros mais antigos, a equipe se divide criando uma nova série, chamada em inglês de JSA All-Stars que iria concentrar os personagens mais belicistas e em treinamento. Nos EUA a série durou pouco mais de um ano e já teve seu fim anunciado.

O tom de Willingham, autor de Fábulas, provou-se inadequado tanto que foi afastado ao final do segundo arco e substituído por uma nova equipe de criação.

É uma pena que um material tão fraco possa afetar o histórico da equipe e impeça que a médio prazo a Panini re-edite os bons arcos de Johns e companhia em encadernados.

Uma pena.

Vale lembrar que além de Justice Society of America e JSA All-Stars também tiveram séries mensais Magog e Poderosa, ambas séries desligadas da cronologia da Sociedade.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…