Pular para o conteúdo principal

Lançamento: Homem de Ferro & Thor #13

O cerco, a saga da Marvel deste ano no Brasil tem a minha simpatia. É um argumento inteligente que mostra que o poder absoluto vai corromper absolutamente, algo que as esquerdas brasileiras tem esquecido...

Nesta edição de Homem de Ferro & Thor temos muito enchimento para a trama principal, quase todos desnecessárias. Em Thor #608 de Kieron Gillen, Billy Tan & Batt (desenhos e finais) e Rich Elson (arte completa de ilustrações diversas) que mostra os deuses de Asgard enfrentando a segunda leva do cerco à Cidade Eterna composto pelos vilões e Volstagg enfrentando um “clone” de Thor. O dono da série, no entanto, está ocupado entre O cerco #2 e #3 e não pôde comparecer.

É chato imaginar que o dono da série não compareça, mas ao menos a Marvel não repetiu cenas que veríamos bem melhor desenhadas na série principal.

Temos a conclusão de “A Guerra dos Homens de Ferro” (Iron Man: Legacy #5) de Fred Van Lente, Steve Kurth e Allen Martinez, em seguida. E para terminar temos Invincible Iron Man #24 de Matt Fraction e Salvador Larroca que também se passa ao mesmo tempo d'O cerco. Neste arco (Stark: A queda), Tony fugiu de Norman Osborn e fez backup de sua capacidade mental e ao longo do arco temos a recuperação do industrial com participação de Dr. Strange, James Rhodes (Máquina de Combate) e Fantasma (dos Thunderbolts). A conclusão do arco se passa momentos antes de O cerco #3.

O melhor fica por conta de saber que o backup da memória de Stark foi feito muito tempo atrás antes da Guerra Civil. A cena com Stark lendo recortes de jornais é interessante, mas é bom lembrar que é a segunda vez que a Marvel pega os atos de Stark e joga num baú. Pouco tempo antes de Heróis Renascem, graças à manipulação de um vilão, Stark “enlouquecem” e foi substituído por uma versão mais jovem. Há inclusive uma história de apoio escrita pelo Kurt Busiek onde Jarvis explica isto.

Apesar de ter o selo “O cerco” somente a história de Thor se passa durante o evento, exatamente ao mesmo tempo da edição #3. A história de Legacy é noutro momento cronológico e a de Invincible Iron Man apenas explica como o herói conseguiu recuperar-se para estar presente em O cerco #3, Vale a pena mais como curiosidade do que pela qualidade.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…