Pular para o conteúdo principal

Por onde passa o futuro dos quadrinhos no Brasil?

Pelas edições de 148 páginas e seis ou sete aventuras ou pelas edições como “Marvel + Aventura” com 22/25 páginas e R$ 1,99 de custo?

Certamente você escolheria o segundo e compraria somente as séries que gosta. Mas o preço das séries “+ Aventura” é um preço de lançamento, algo para chamar a atenção e causar impacto no público de quadrinhos, com uma tiragem mais alta para ter preço mais competitivo e estar disponível em todo o lugar. A fórmula não é nova e já foi usada à exaustão nos EUA no início dos anos 2.000 com revistas custando 10¢, 50¢ ou 60¢.

Funcionando ou não, atraindo os leitores ou não este esquema de promoção já não é usado na terra de Tio Sam há mais de cinco anos. E aqui quanto tempo irá durar? Será a última tentativa das editoras tradutoras em tentar atrair novos leitores?

Pelo editorial que diz “histórias que marcaram época, estraladas pelos maiores astros do poderoso panteão Marvel, reapresentadas numa revista acessível, perfeita para atrair novos leitores para o maravilhoso universo da casa das ideias”, nota-se explicitamente aquilo que tinha ficado implícito nos últimos anos e especialmente na “revolu$ão Panini”: a formação de novos leitores.

O mercado mudou muito e leitores não perseguem mais uma série que acreditam que o personagem é bom, mas o texto é ruim.

Eu persegui “A espada selvagem de Conan” (Editora Abril) durante oito anos esperando que a produção dos textos melhorasse. Hoje um leitor não espera oito páginas. Felizes são os escritores populares que conseguem terminar seus textos com ganchos que iriam atrair os leitores para a próxima fase como Mark Waid e Jeph Loeb (este especialmente seu período na série Superman/Batman). Se um escritor não der ao leitor sua dose de pin-ups, páginas duplas, explosões, peitos, nádegas e clichês dificilmente o leitor irá se importar em comprar a próxima edição.

Claro que a proposta é excelente e a preço acessível, mas como ficará o leitor quando descobrir que o padrão de excelência que vê em Uncanny X-Men #205 está muito além da produção atual em Uncanny X-Men número quinhentos e tantos. Já se passaram, neste caso, 25 anos e tudo mudou e em quase nenhum caso para melhor.

Sob este aspecto a importância dos scans deve ser ressaltada.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!