Pular para o conteúdo principal

Uma obra prima: Um sinal do espaço

A signal from space publicada em Série Graphic Album # 05, Editora Abril de junho de 1991 – Espetacular graphic novel de 130 páginas que estuda a fundo as mudanças das relações humanas provocadas pelo informacão que a NASA haveria recebido um sinal do espaço.

Os cientistas que tem acesso à informação em primeira mão entram em contato com agentes soviéticos, e o contato na embaixada russa comunica à Central de Inteligência, que então, envia o astrofísico Dr. Bludd, para investigar a situação que logo complica com a deserção dos cientistas.

Paralelamente a isto, e ampliando o elenco, temos um bêbado e uma garçonete que fundam uma igreja no estilo messiânico que pretende levar as pessoas para um novo começo; uma multinacional dirigida por um empresário inescrupuloso que deseja explorar a viagem e para tanto investe na igreja e em uma republiqueta africana que vive em regime ditatorial e para fugir de suas obrigações financeiras decide tornar-se colônia da suposta civilização alienígena.

A mesma multinacional do parágrafo anterior financia a campanha de um candidato à presidência muito semelhante à Nixon, de modo que possa controlar o primeiro contato.

O romance também questiona a moralidade da criação de novas espécies de vida, como a decisão em criar uma espécie fundida ao DNA humano para suportar os rigores da viagem ao espaço.

Muito superior a muitas obras do mestre Eisner por que troca o óbvio sentimentalismo da miséria humana presente em Um contrato com Deus e O edifício, por exemplo, pelo “óbvio sentimentalismo da miséria humana” com uma rocambolesca e deliciosa trama política e policial, agradando assim a todos os públicos.

Imperdível e merecendo uma nova edição no Brasil há anos.

Argumento & arte de Will Eisner, cores por André Le Blanc.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…