Pular para o conteúdo principal

Sarcófago: Heróis da TV , 2ª série – A revista

Primeiro uma explicação: A Editora Abril já havia usado o título “Heróis da TV” em uma série que trazia personagens da Hanna-Barbara, que já havia sido cancelada antes do lançamento desta nova série.

O título “Heróis da TV” refere-se ao fato que muitos personagens da Marvel tinham séries (des)animadas que passavam nas redes de TV, entre eles Homem de Ferro, O Poderoso Thor, Capitão América e O Príncipe Submarino – em 2001 esta séries seriam reapresentadas no canal por assinatura Fox Kids em um bloco de programas dedicados a quem perdeu o sono.

Iniciada em julho de 1979, com 132 páginas e 13 x 20,5 centímetros inicialmente, mas reduzido à partir da edição 08 para o formatinho padrão da Abril., a revista Heróis da TV junto com Terror de Drácula e Capitão América foi a primeira e duradoura tentativa da Ed. Abril Jovem de publicar aventuras da Marvel Comics, que a partir deste momento ficaram divididos entre a Abril e a RGE (atual Globo), já que a Abril pegou a maior parte dos títulos que a Bloch Editores publicava.

Em sua primeira edição temos O Poderoso Thor, Surfista Prateado, Punho de Ferro, Homem de Ferro e o Mestre do Kung Fu, ao qual juntaram-se Os Campeões, Motoqueiro Fantasma, Capitão América, Nick Fury, agente da SHIELD, entres outros.

À partir da edição 34 a Ed. Abril começa a ter direito a publicar mais personagens da Marvel no Brasil e isso reflete-se na revista que agora publica também Warlock, Os Vingadores, Cristal, Conan, o bárbaro, ao mesmo tempo em que a Abril edita o almanaque Superaventuras Marvel.

Um ano depois a Abril teria os privilegiados personagens Homem-Aranha e O Incrível Hulk, que ganhariam séries mensais.

Durante um curto período tentou resgatar a característica de inovação atirando para todos os lados e publicando material como Micronautas (uma série licenciada da Marvel com características gerais semelhantes à Star Wars), Surfista Prateado, Caleb Hammer, Sinbad, Conan, Manto & Adaga e outros.

Passado a onda retornou ao feijão com arroz reforçado de Dr. Strange (Steve Englehard & Marshal Rogers), Homem de Ferro e Thor (Walt Simonson).

Durou 112 números e foi substituído pela revista dos X-Men em 1987.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…