Pular para o conteúdo principal

piauí #52

Já está nas bancas a piauí #52 – assim mesmo, com “p” minúsculo – que trás algumas matérias interessantes como um perfil de Rodolfo Landim – ex-empregado e atual adversário de Eike Batista -, um de Keith Richards, dos Stones e do livro “Vida” a autobiografia do guitarrista da maior banda do mundo (de rock?), e acredite um perfil interessante de como se constrói um ídolo adolescente analisando o cantor sertanejo pop Luan Santana (é sério! O texto é muito bom) e um artigo sobre a Irlanda de Colm Tóibín da qual retiro o seguinte parágrafo:

Era um pouco estranho viver aqui [na Irlanda], um lugar que não teve Renascença, que quase não teve Reforma, nem Iluminismo, nem Revolução Industrial. Somente uma história de violência, pobreza e emigração. Um lugar governado até 1.922 pelo Império Britânico, seguido de quatro décadas de estagnação cultural e econômica antes da integração ao império europeu, por assim dizer, em 1.973. E, no entanto, havia também um surpreendente fascínio em torno da Irlanda, em especial de Dublin, onde o mundo da escrita – o poema, o romance, a peça de teatro, o artigo de jornal – era tratado com uma espécie de reverência e seriedade que só se encontra em sociedades nas quais faltam muitas outras. Isso foi algo de que o governo se deu conta no final dos anos 60, compreendendo que a imagem da Irlanda era criada por escritores e cantores, e que essa imagem era tão importante quanto as políticas econômicas da Irlanda para atrair investimento estrangeiro. Subitamente, Yeats, Joyce e Beckett ficaram na moda, e a política governamental com relação à cultura se tornou esclarecida.

O mais chato é que aqui no Brasil até teve algumas coisas (Inconfidência Mineira e Baiana, República, Ditadura, fim da ditadura...) mas nossa história também é uma soma de violência nos grandes centros, pobreza de todas as maneiras (cultural, política, financeira, intelectual) e emigração (pessoas das pequenas cidades aceitam o sub-emprego nas grandes cidades, pois não tem formação para conseguir concorrer para os verdadeiros empregos). E quando notamos o que gera fascínio no exterior temos a estereotipagem de nossas mulheres como mulatas boas para o sexo fácil. E para quem acha futebol algo relevante temos a exportação de jogadores talentosos sob o pretexto de que um jogador brasileiro “tem” que ser melhor pois não “perdeu” anos na escola: aprendeu a jogar assim que aprendeu a andar, sem ter pausa para ir à escola (sobre isto veja um artigo de Roberto Pompeu de Toledo na VEJA sobre o Neymar).

O governo não tem uma política clara de cultura e de transformar nossos escritores e intelectuais em grife. Por sinal política clara não tem em nada, um mal herdado dos anos de chumbos que permanece. Aqui tudo é passível da interpretação do mandatário do momento.

O que se transforma em grife são períodos da nossa história. Quando dos quinhentos anos houve a excelente série Terra Brasilis e agora há o texto afiando de “1808” (em referência aos duzentos anos da chegada da Família Real ao Brasil) e “1822”. Vendem bem, são bem escritos, bem documentos, divertidos, mas são textos de história pop, escritos por jornalistas habilidosos para causar impacto no leitor e divertir com o curioso do fato, com o curioso de como as coisas aconteceram.

Quando teremos nosso “Ulysses”?

Ou simplesmente não precisamos? Afinal o autor também aponta no mesmo parágrafo que o tratamento especial a estes temas é resultado de uma sociedade onde faltam muitas outras coisas, e a literatura seria apenas um escape.

O engraçado é que aqui também falta muita coisa e ainda assim só contribuímos com a alegria do mundo – ou o sexo fácil, entenda como quiser.

Uma pena: poderíamos ser uma grande nação!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…