Pular para o conteúdo principal

The Walking Dead [1x04] – Vatos

Vatos é o episódio mais parecido com a estrutura da série em quadrinhos até o momento – estrutura e não a história em si. Não por acaso é escrito por Robert Kirkman, escritor responsável pela série mensal em quadrinhos em que a série de TV é baseada. A direção fica a cargo de Johan Renck, substituindo Frank Darabont, idealizador da adaptação.

Por que é parecido? Os sobreviventes finalmente encontram outros sobreviventes, há tensão, há honestidade de propósitos e há ataques de zumbis repentinamente, diminuindo o elenco à metade.

Não quero limitar a história, mas é assim nos quadrinhos. A cada arco há uma evolução, alguém entra, alguém sai, alguém morre e no final do arco há um novo ataque, com resultados diferentes a cada oportunidade.

Rick, Glenn, T-Dog e Daryl Dixon vão atrás do irmão deste último, Merle, mas descobrem que ele cortou a mão para fugir das algemas e está desaparecido.

No acampamento Jim mostra sinais de estresse e a liderança de Shane é questionada. Jim está cavando covas em função de um sonho que teve.

Em Atlanta, ao recuperar a sacola de armas temos uma situação com a captura de Glenn. Rick decide resgatá-lo e pronto para um conflito definitivo de vida e morte, depara-se com uma clínica para idosos, escondida sob a fachada de uma gangue de latinos.

Ao tentar voltar para o acampamento descobrem que a van foi roubada – acreditam que foi Merle, que deseja vingança.

Horas depois, no anoitecer, o acampamento é atacado por uma horda de zumbis. O ataque faz muitas vítimas, mas o quarteto consegue chegar à tempo para fazer a diferença. Entre os mortos destacam-se Amy – irmã de Andrea – e Ed – que havia sido espancado por Shane no episódio anterior.

A série de TV The Walking Dead é exibida nos EUA aos domingos pelo canal AMC. No Brasil o canal FOX exibe a série apenas dois dias depois, na terça-feira. A primeira temporada está programada para somente seis episódios e este é o quarto.

A segunda temporada já foi aprovada. Terá 13 episódios e a última informação determina a exibição para outubro de 2.011.

No Brasil a série em quadrinhos, criada por Robert Kirkman é traduzida pela HqManiacs e já teve quatro encadernados, que cobrem os números #1 a 24 da série. Nos EUA a série é publicada pela Image Comics e está se aproximando da edição #80 sem produzir nenhum arco inferior em qualidade ou tensão. Há também dez encadernados americanos para os arcos individualmente e mais recentemente um edição “omnibus” que compilou as edições #1-48 num só volume.




















Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…