Pular para o conteúdo principal

Superboy Starring The Legion of Super-Heroes, 1

Desde o final da série da Legião dos Super-Heróis em Adventures Comics, das edições #300-380 (set/1.962-maio/1.969) a equipe de heróis do futuro estava sem uma casa fixa, ainda que tivesse aventuras narradas em Action Comics e em Superboy (neste, a partir da edição #181 de 1.972).

Porém apenas que a partir da edição #197 (set/1.973) é que a chamada da capa se alterou para SUPERBOY starring the LEGION OF SUPER-HEROES, alteração estética que durou até a edição #221 (nov/1.976).

A edição #197 mostra “Timber Wolf dead hero, live executioner!”, onde o herói Timber Wolf dado como morto retorna misteriosamente e parece estar sendo controlado pois tenta matar o presidente da Terra. Aprisionado, descobre-se que está sendo controlado por Tyr que pretende destruir a Legião.


O número 198 (out/1973) traz a clássica história, várias vezes publicada no Brasil, “The Fatal Five who twisted time!”, onde os vilões do Quinteto Fatal voltam aos anos 1.950 – época em que o Superman era adolescente – para modificar a estrutura do tempo e matar o garoto de aço e por extensão a Legião. Isto traz Brainiac 5, Element Lad, Princess Projectra, Karate Kid, Chameleon Boy e Mon-El para impedir a manipulação.

É a história desta fase que mais lembra a estrutura das aventuras de Adventure Comics.

No mês seguinte, o número #199, retorna com a trama de Tyr na história “The gun that mastered men”.

O vilão tinha uma arma acoplada em sua mão que evadiu-se após a derrota do usuário na edição #197.

A arma – que tem um processador para análises de estratégias e um gerador de energia gigantesco – aguarda que o garoto de aço retorne ao passado para aprisionar a sede da equipe.

Claro que Superboy percebe, retorna ao futuro, torna-se prisioneiro da arma e tem o auxílio dos heróis para vencer o desafio.

A edição #200 (jan-fev/1.974) traz a história “The legionnaire bride of Starfinger” e estabelece o dia 28 de outubro de 2.973 como o dia do casamento de Bouncing Boy (Chuck Taine) & Duo Damsel (Luornu Durgo).

A trama mostra que após retornar de uma missão em outra galáxia Durgo recebe a notícia que Chuck irá abandonar a equipe pois está perdendo seus poderes. Ambos decidem casar-se. Durante os preparativos a moça aparenta não ter mais a habilidade de duplicar seu corpo.

Assim que a cerimônia termina descobre-se que Luornu se dividiu em sua missão e um de seus corpos foi sequestrado pelo vilão Starfinger – que também quer casar-se com a heróina!

Se os corpos de Duo Damsel não forem unidos ela poderá morrer! Com quem se casará?

Todas as aventuras tem texto de Cary Bates (Superman, Captain Atom) e arte de Dave Cockrum, criador visual dos all-new all-different X-Men.

O casamento de Bouncing Boy e Duo Damsel - notou o J'Onn J'Onzz

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…