Pular para o conteúdo principal

Richard Stallman e Free Software Foundation

Em 1.985, Richard Stallman, um visionário, na melhor aplicação da palavra, e que, se fossem outros tempos seria algo como que “messiânico” em visão de mundo, criou a Free Software Foundation (FSF), com a finalidade de promover a criação de um sistema completamente livre, e havia desde o início o interesse para que este sistema operacional fosse compatível com o UNIX – sistema em rede, bastante popular na década anterior, visto que era bastante divulgado em instituições de ensino e grandes empresas.

Para garantir a sua liberdade Stallman entendeu que o software deveria pertencer a alguém, já que se não fosse assim alguém (pessoa física ou jurídica) poderia se apropriar do código para os próprios fins. Assim decidiu que o software pertenceria a FSF e que seria publicado utilizando uma licença escrita especialmente para o caso que Stallman estava criando: A GNU GPL, que defendia uma série de liberdades para o software criado e distribuído nesta licença (GPL é Generical Public License ou Licença Pública Genérica).

Stallman decidiu chamar seu sistema operacional de GNU, uma sigla recursiva que significa “GNU não é Unix” (GNU is Not Unix).




(REIS, 2003) continua:

O desafio de construir o sistema operacional envolvia não apenas a criação de um núcleo de sistema operacional, mas também a criação de uma coleção de bibliotecas e aplicativos que permitissem ao sistema compatibilidade com o Unix original. Durante esta década o FSF apoiou o desenvolvimento do conjunto de compiladores GCC (originalmente GNU C Compiler, hoje GNU Compiler Collection), o editor de textos Emacs e as bibliotecas padrão libe e glibe, entre outros.

O processo de desenvolvimento deste período não é documentado na literatura, mas é certo dizer que já existia uma comunidade de desenvolvedores interessados nos produtos da FSF e que contribuía com código-fonte e pacotes para completar as lacunas no sistema operacional GNU. O meio de comunicação óbvia era a Internet, que começava a se tornar mais facilmente acessível, embora versões dos pacotes GNU fossem também distribuídas em fitas magnéticas. Correio eletrônico e FTP eram os veículos pelos quais os desenvolvedores comunicavam seus lançamentos.


--------
(REIS, 2003)
Christian Robottom Reis, Caracterização de um Processo de Software para Projetos de Software Livre, disponível em acesso em 19 de janeiro de 2.008 às 20:31, Dissertação apresentada ao Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo para a obtenção do título de Mestre em Ciências da Computação e Matemática Computacional, São Paulo, 2003.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!