Pular para o conteúdo principal

A infinita saga do infinito, XII: A Manopla do Infinito, II

Por fim na quarta edição de Infinity Gauntlet a batalha!

No ápice Thanos congela o tempo e somente graças à manipulação de Mefisto e desejando impressionar a Morte, ele assume um papel mais humano na batalha. Enquanto isso Surfista e Warlock assistem à distância. A luta é grandiosa, mas nós sabemos o destino dos heróis. Thanos é o ser supremo e não será derrotado. A própria batalha só esta acontecendo por que ele permite!

Um estratagema de Warlock tem a intenção de roubar a manopla... mas falha! Reconhecendo que falhou, Adam invoca as entidades cósmicas.

Na quinta edição uma nova batalha agora em tom cósmico e Thanos é traído pela sua amada Morte – vindo assim ao final da série abandonar o niilismo, e evoluir como personagem e ser fictício.
Warlock e Surfista fogem enquanto Thanos aprisiona os seres cósmicos e une-se à própria Eternidade! Porém, ao assumir o status divino Thanos deixa seu corpo desprotegido e Nebulosa, sua neta, rouba a manopla e reverte o quadro, enviando Thanos para o espaço exterior!

Thanos é resgatado por Warlock que em reservado revela que teve acesso à alma do titã e que ele próprio é responsável por suas derrotas, fornecendo as condições para que elas ocorram. Isto surte um efeito devastador no vilão, que reflete sobre a razão de Adam.

Agora os heróis Hulk, Thor, Dr. Destino, Drax e Senhor do Fogo enfrentam Nebulosa e são derrotados. Em seguida surgem Dr. Estranho, Surfista, Warlock e Thanos para retomarem a manopla.

Na conclusão da saga, Nebulosa restaura o universo ao formato de 24 horas antes. Inexperiente, ela não percebe a presença física e espiritual de Warlock e enquanto ela enfrenta os seres cósmicos, Adam usa seus poderes na Jóia Espiritual para que haja desarmonia entre as jóias, e a manopla foge ao controle da Nebulosa, vindo a parar nas mãos de Warlock!

Thanos sabiamente foge, mas em breve é encontrado por Warlock em um planeta distante (que voltaria a aparecer em Abismo Infinito), que busca-o para aconselhar-se sobre o quê fazer com o poder supremo e suas conseqüências.

Apesar de ter publicado The Infinity Gauntlet, a Abril Jovem já tinha uma cronologia que privilegiava os mutantes e o Aranha.

Assim, decide não publicar Warlock and The Infinity Watch, uma nova série regular onde nas edições # 1 – 2, Warlock vai a julgamento pelos seres cósmicos e decide dividir as jóias entre os membros da Infinity Watch: Gamora, Pip, Drax, Serpente da Lua, o próprio Warlock e um sexto membro secreto.

A Abril jamais publicou aventuras desta série no Brasil e as únicas aparições da Guarda do Infinito são nas séries sub-sequentes.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…