Pular para o conteúdo principal

A infinita saga do Infinito, Parte XIII: A Guerra Infinita, I

Entre julho-dezembro de 1992, houve The Infinity War # 1-6 (A Guerra Infinita # 1-3, jan-fev/1996, Editora Abril) onde a Infinita Saga do Infinito continua com o trio Jim Starlin, Ron Lim e Al Milgrom.

Começam a aparecer no universo versões malignas dos personagens Marvel.

A mais famosa seria a Contra-Parte Aranha que auxiliaria o Duende Macabro/Duende Demoniaco contra o herói.

Outro que ficaria famoso seria o Demônio Ge-Rouge, a Contra-Parte do Demolidor que inclusive foi usado pelo herói para forjar sua morte! Demônio Ge-Rouge surgiu em Daredevil # 310 (1992), publicado em Superaventuras Marvel # 163 (janeiro/1996) e morreu em Daredevil # 325 publicado em Superaventuras Marvel # 168 (junho/1996).

Na primeira edição da série, Thanos percebe que há uma anomalia que ameaça o universo. Galactus e Nova encontram Eternidade em estado catatônico e contra-partes malignas atacam o Aranha, Sr. Fantástico, Homem de Ferro e Wolverine.

Não demora para Thanos encontrar o responsável pelos eventos, Magus, que armazena um enorme poder em um receptáculo em sua fortaleza.


Os dois logo percebem que são antagônicos e Thanos é expelido da presença de Magus. Sim este é o mesmo Magus da década de 1970, porém com um visual contemporâneo.

Reed Richards convoca uma reunião com os Vingadores, X-Men, Novos Guerreiros, Vingadores da Costa Oeste, X-Factor e Tropa Alfa no Four Freedoms.

Em outros locais alianças estranhas e extremas ocorrem: Dr. Destino e Kang, o Conquistador; Galactus e Dr. Estranho; Thanos e Warlock e sua Guarda do Infinito.

Na segunda edição Thanos revela que Magus está vivo e em posse de energias fantásticas. O titã e a Guarda vão ao Palácio da Morte para vislumbrarem o Poço do Infinito para atualizar nos sobre a história de Magus e descobrimos que no período em que foi o ser supremo, Warlock almejou a perfeição e decidiu que nem o bem ou o mal poderiam nublar suas decisões, assim, os extirpou como se faz com um câncer.

As trevas formaram o novo Magus, que então difere do original. O original era Warlock enlouquecido, este é “apenas” o lado maligno de Adam.

Para estabelecer seu poder Magus roubou energias de cinco realidades alternativas. Há um mistério sobre qual seria a fonte dos poderes de Magus, mas é bom lembrar que nada impede que ele tivesse roubado uma Manopla de outra realidade e atacasse seus algozes, apenas a óbvia repetição dos eventos é que salva deste argumento repetitivo.

Wolverine chega na reunião de Reed Richards e revela que Reed é um impostor e Demolidor confirma!
Começa uma luta entre heróis.

A contra-parte de Reed aciona uma bomba gama que explode a cobertura!

Na edição # 3 os heróis conseguem salvar-se da explosão, mas passam a acreditar que Thanos está envolvido com Warlock, ao verem Magus e a contra-parte de Thanos juntos. Logos após o envio de alguns heróis para buscarem respostas a base é atacada por dezenas de contra-partes.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…