Pular para o conteúdo principal

A infinita saga do Infinito, Parte XIV: A Guerra Infinita, II


Em Infinity War #4 os heróis lutam contra as contra-partes e a missão avançada contra da Guarda do Infinito e Thanos, até serem resgatados por Galactus, Surfista, Nova e Dr. Estranho.
Kang e Dr. Destino descobrem que a fonte de poder de Magus são cinco Cubo Cósmicos!
Galactus usa uma sondagem mental e todas as informações são coletadas e participadas aos heróis. Warlock percebe que terá que reabsorver seu lado negro. Decide, então, reunir as jóias da Manopla do Infinito e as toma da Guarda do Infinito. Mas para sua surpresa a Manopla não funciona graças à uma interferência do Tribunal Vivo, que não permitia que as jóias funcionassem em uníssono.
Galactus, que tem ressentimentos de Warlock, decide levar Gamora a uma audiência com o Tribunal e após ele sair, Adam é seqüestrado por Magus, que leva também a Manopla. Thanos descobre o intento do vilão e se apossa do Nulificador Total para usá-lo num sacrifício supremo a ser feito por Quasar.
Na edição 5, Thanos ordena que Quasar use o Nulificador para destruir a base de Magus. Apesar dos planos de Kang e Destino, que tomarem a fonte de poder, quando a Eternidade permite que as jóias funcionem em uníssono a Manopla ainda está nas mãos de Magus que, de imediato, anula a ameaça do Nulificador.
Os heróis partem para um ataque suicida contra Magus.
Finalmente na conclusão, Thanos derrota sua contra-parte e segue para um ataque direto à Magus que aprisionou os heróis. Warlock, então liberto durante a batalha começa uma batalha pessoal com sua sombra maligna e graças à intervenção de Eternidade/Infinito Magus é derrotado!
Warlock porém fica em coma.
E Thanos revela que a Jóia da Realidade – que esteve com um sexto ser, ainda secreto desde quando Adam repartiu as jóias da Manopla – foi substituída por uma falsa, um plano de Warlock para que Magus jamais usasse a Manopla. Em agradecimento Eternidade volta a restringir o uso das jóias em uníssono.
Thanos, no entanto, já desconfiava que após enfrentar seu mal, teria agora que lidar com o bem absoluto – que havia roubado a unidade de contenção com os cinco cubo cósmicos de Magus.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…