Pular para o conteúdo principal

A Infinita Saga do Infinito, Parte VIII: A ressurreição de Thanos

No final da década de 1980, o Surfista Prateado voltou a ter uma série mensal, a sua terceira série (a 2ª teve apenas uma edição, ok?), e distante da melancolia da década de 1960 logo viu-se livre a barreira de Galactus.

É nesta série sob a tutela de Steve Englehart que vemos o aproveitamento de parte do casting criado por Starlin na década de 1970, com tramas que envolvem personagens cósmicos e que trazem de volta as jóias espirituais (numa aventura com Reed e Sue Richards). Estas aventuras não foram publicadas no Brasil, mas não acrescentam nada à trama da Saga do Infinito, visto que Thanos não participa destas aventuras.

Apesar da arte de Marshall Rogers (Detective Comics) a série não havia emplacado e em 1990, Jim Starlin retorna à Marvel e a assume, quando tinha Ron Lim (X-Men 2099) no lápis e Tom Christopher nos finais.

Não demorou muito e Thanos estava de volta!

Em Silver Surfer # 34-38, 3º volume (Superaventuras Marvel # 131-134, maio-agosto/1993, Editora Abril) Thanos tem autorização da Morte para retornar de seu reino com uma missão específica: eliminar parte dos seres vivos!

A Morte notava um desequilíbrio cósmico: estavam nascendo mais pessoas do que morrendo, então ela resgata seu antigo amante de seu reino para dar prosseguimento à sua missão anterior.
Mas lentamente descobrimos que Thanos voltou diferente após ter experimentado a morte. Além de mais introspectivo e inteligente, Thanos está menos violento, menos belicoso, preferindo os grandes jogos mentais e planos elaborados, a um confronto direto e insensato. Estas posturas ficam mais evidentes nas sagas seguintes, em especial Thanos – Em busca do poder e O desafio infinito.

Em Silver Surfer # 35 (Superaventuras Marvel # 132), Kronos ao perceber que Thanos voltou dos mortos, invoca Drax, o destruidor novamente, que ironicamente volta com problemas de raciocínio, incapaz que pensamentos inteligentes e geralmente usado como personagem cômico. Na edição seguinte, o Surfista vem à Terra para saber que é Thanos nos arquivos dos Vingadores, e ainda perde tempo com o Homem-Impossível.

Na edição # 37, Surfista encontra com Mentor, Eros e finalmente Drax – o time todo estava de volta.

Na última edição da saga, Nebulosa, a misteriosa neta de Thanos que já havia aparecido diversas vezes em aventuras dos Vingadores, encontra seu avô que retoma sua nave Santuário, que estava sendo usada como base por Nebulosa. Thanos negando a relação com a vilã a incendeia, mas, apesar dos ferimentos ela sobrevive.

Nesta edição, disposto a ganhar tempo para seus planos, Thanos finge sua morte.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…