Pular para o conteúdo principal

A Infinita Saga do Infinito, Parte IX: Thanos, em busca do poder

Enquanto o Surfista Prateado espalha a informação de que Thanos novamente está morto, a saga do titã louco continua na mediana Thanos Quest # 1-2 (1989, Thanos – Em busca do poder # 1-2, Agosto-Setembro, 1993, Editora Abril) que no Brasil foi publicada em minissérie com formato americano!

Com roteiro de Jim Starlin, e arte de Ron Lim e John Beatty, nesta série Thanos percebe que mesmo com os poderes ampliados pela Morte, não será possível matar 50% da população do universo, e então, sai em busca das jóias espirituais que ele já havia usado anteriormente. Sobre sua tentativa anterior, o introspectivo Thanos argumenta: “Naquela época, eu não tinha me dado conta da verdadeira natureza das gemas! Eu as utilizei como um martelo, quando na verdade, eram um bisturi de um cirurgião!

Thanos consegue a autorização da Morte e assim engana os seres cósmicos da Marvel. Do Intermediário (não por acaso criado por Starlin na série Warlock) consegue a gema que um dia pertenceu a Adam Warlock, a única verdadeira gema espiritual. Em seguida do Campeão a jóia do poder. Do clássico personagem Jardineiro, Thanos consegue a jóia do tempo. Do Colecionador e do Corredor, dois outros Anciões do Universo, Thanos obtém as jóias da Realidade e do Espaço.

Por fim, do Grão-Mestre, outro ancião que já esteve envolvido com o Esquadrão Sinistro e Os Vingadores na década de 1970, Thanos consegue a jóia da mente.

Durante a saga e nas seguintes é citado que as gemas são partes de um ser supremo que suicidou e assim criou o primeiro dos universos conhecidos. É bom, no entanto, lembrar que cada realidade tem seu próprio conjunto de seis gemas, afirmando que elas não são únicas em toda a existência. Vários What If... ?, série regular da Marvel que é conhecida no Brasil como “O que aconteceria se...?” apresentam soluções diferentes para as tramas e outros conjuntos de 6 gemas.

Com as gemas, Thanos tem o poder da mente, alma, realidade, tempo, espaço e poder, tornando-se a criatura mais poderosa da existência!

Mas para ironia do destino, Thanos ainda não consegue falar diretamente com sua amada! Desde ressuscitado, Morte usa intermediários para falar com Thanos a quem considerado um inferior. Quando Thanos assume o poder supremo Morte agora usa os intermediários por que não pode dirigir-se diretamente à uma criatura de tão imenso poder.

Irado Thanos destrói um dos dois intermediários, irritando profundamente a senhora de seu coração.

E termina a série com seguinte recordatário: “Thanos, o ardiloso e supremo estrategista. Eu estabeleci uma busca fora do alcance de qualquer ser além de mim. Eu tive sucesso. Arranquei as rédeas do poder dos seres supremos. Nenhuma criatura racional jamais sonhou com o que eu concretizei.

Como poderia imaginar que minha transformação em deus seria uma vitória tão vazia?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…