Pular para o conteúdo principal

A Infinita Saga do Infinito, Parte V: E com vocês... Warlock, Parte I

Semelhante a Star Wars, que teve um coadjuvante de luxo quase como astro principal na figura de Luke Skywalker, mas sendo o verdadeiro astro Anakin Skywalker, o Darth Vader, a Saga de Thanos também teve um segundo herói para absorver a atenção dos leitores enquanto Jim Starlin brincava com Thanos: Warlock.

Warlock é uma criação conjunta de Stan Lee, Jack Kirby, Roy Thomas, Gil Kane e Jim Starlin, sendo que cada um contribuiu para o personagem. Não estranhe mas John Constantine da DC Comics também tem uma lista grande de criadores.

Originalmente Warlock era “A Criatura do Compartimento 41” o primeiro ser humano sintético apresentado em Fantastic Four # 66-67, 1º Volume – 1967 (A Saga de Thanos # 3, Ed. Abril, 1992). Lá já estava o famoso casulo que seguiria o personagem. A história é de Jack Kirby & Stan Lee, Jack Kirby e Joe Sinnott.

Em The Mighty Thor # 165-166, 1º Volume – 1969 (A Saga de Thanos # 3) de Kirby & Lee, Kirby e Vince Colletta, “A criatura do compartimento 41” ressurge resgatada do espaço e assume o nome de “Ele” querendo desposar Sif, então a namorada de Thor. “Ele” é derrotado diante da fúria de Thor e só retornaria na década seguinte.

Em Marvel Premiere # 01 – 1971 (A Saga de Thanos # 3) Roy Thomas, Gil Kane e Dan Adkins, usam o Alto Evolucionário para fazer uma nova Terra chamada de Contra-Terra pelo cientista, e ele resgata “Ele” e finalmente temos nome pelo qual o personagem ficaria conhecido: Warlock – em breve uma nativa da Contra-Terra forneceria o primeiro nome, Adam.

Com a falha da tentativa de criar uma Terra pura, Warlock recebe uma jóia espiritual do Alto Evolucionário e parte para o planeta enfrentar a personificação do mal, o Homem-Fera (Marvel Premiere # 1-2; Warlock # 01-04, 1972; A Saga de Thanos # 3; Warlock # 05-07, A Saga de Thanos # 04, Ed. Abril, 1992).

Em Warlock # 08 de Mike Friedrich, Bob Brown e Tom Sutton há o confronto final entre Warlock e Homem-Ferra, que graças ao cancelamento da série, é transferido para The Incredible Hulk # 176-178, 2º volume, 1973 (A Saga de Thanos # 4, Ed. Abril) de Gerry Conway e Tony Isabella, Herb Trimpe e Jack Abel.

A saga imodestamente faz referências à história de Jesus Cristo quando apresenta Adam Warlock como um salvador e antagonista do mal personificado. Ao final Warlock ressurge depois de morrer para enfrentar o vilão e então partir para o esquecimento.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…