Pular para o conteúdo principal

A Infinita Saga do Infinito, Parte II: O Capitão Marvel e a consciência cósmico e por que não, o Cubo cósmico!

Meses depois Thanos reapareceria em Captain Marvel # 25-26, 1º volume (A Saga de Thanos # 01, Editora Abril) onde o alienígena skrull Skragg é contratado para destroçar a mente de Mar-Vell, mas graças à interferência do Super-Skrull e do Coisa o plano não sai como o esperado. Neste edição Thanos já diz “(...) reconheço a Morte como única companheira” e já fica vinculado no imaginário como servo/amante daquela personificação da Morte que o acompanharia a partir de então.

Ao final da aventura o titã reverte a transformação de Mar-Vell em Rick Jones, de modo a conseguir a localização do Cubo Cósmico (Captain Marvel # 27).

O Cubo Cósmico é um artefato que concede poderes ilimitados ao seu dono, realizando todos os desejos deste e já foi utilizado, entre outros, pelo Caveira Vermelha.

Após conseguir seu intento, Thanos aprisiona Rick em Titã, até que o jovem é resgatado por Mentor e Eros, o deus do amor, irmão e antagonista de Thanos, uma verdadeira personificação da morte naquele pretenso panteão de homens-deuses. Eros ficaria mais conhecido por sua participação nos Vingadores na década seguinte, sob o nome Starfox.

Após auxiliar na batalha contra o Super-Skrull, Mentor transporta Mar-Vell para a Terra.

A edição seguinte, Captain Marvel # 28 (A Saga de Thanos # 01), mostra a sede dos Vingadores sendo atacada pelo Controlador, também servo temporário de Thanos, enquanto Drax e Thanos degladiam-se pela posse do Cubo Cósmico. O vilão vence.

Na Terra, Mar-Vell confronta o Controlador que já derrotou todos os Vingadores e acaba aprisionado em escombros já revertido à Rick Jones, que não consegue trazer o Kree de volta!

Este é transportado para um cenário “cósmico” onde encontra um ser de grande poder e sabedoria chamado Eon que diz que irá transformar Mar-Vell em um antídoto universal contra Thanos.

Em Captain Marvel # 29, 1º volume (Heróis da TV # 11 – 1980 e A Saga de Thanos # 01), Mar-Vell ganha do estranho ser um dom chamado consciência cósmica e se torna uno com o universo. É aqui que, a partir desta edição sem a colaboração de Mike Friedrich nos argumentos, vemos a versão de Jim Starlin das lendas greco-romanas e de seu panteão de deuses. Vê-se a origem de Zeus que pode ou não ser o “Zeus” utilizado nas aventuras do personagem Hércules da Marvel Comics.

Descobrimos que este “Zeus” tinha um irmão pacifista chamado Alars, que logo foi expulso da cidade que habitavam, o Olimpo após uma experiência malsucedida do pai de ambos, Kronos, e que certamente seria repetida por Alars. Graças a esta experiência este Kronos fica uno com a matéria do universo – numa posição muito semelhante ao que seria convencionado ao personagem Eternidade, que ficaria mais conhecido.

Alars vagaria pelas estrelas até o satélite de Saturno conhecido como Titã, onde encontrou Sui-San, uma jovem sobrevivente do holocausto daquela civilização, e assumindo o nome de Mentor criou uma terra de beleza, paz e sabedoria e teve dois filhos relevantes: Eros e Thanos.

No entanto, em What if... # 25 – 1980 (Capitão América # 135, Editora Abril – ago/1990) a origem de Alars/Mentor recebe um reboot e seu irmão, originalmente Zeus vira Zuras, a cidade, originalmente o Olimpo vira Titanus e, o povo, certamente o deuses do Olimpo tornou-se Os Eternos, personagem criados pelo mestre Jack Kirby para a Marvel Comics e cuja série foi profundamente marcada pelos temas do livro “Eram os deuses astronautas?” do alemão Erick Von Daniken.

Depois de enfrentar seu lado negro, Mar-Vell tem o controle da consciência cósmica e re-estabelece o contato com Jones. A edição seguinte, Captain Marvel # 30 (Heróis da TV # 12, A Saga de Thanos # 01) traz a revanche de Mar-Vell contra o Controlador.






Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…