Pular para o conteúdo principal

A Infinita Saga do Infinito, Parte I: O personagem principal

NIILISMO substantivo masculino (do latim NIHIL, nada) (...) 2. Atitude de negação dos valores intelectuais e morais comuns a um grupo social, de recusa do ideal coletivo desse grupo. – 3. Redução a nada; aniquilamento. – 4. Descrença absoluta.

NIILISTA adjetivo e substantivo masculino e feminino. 1 – Relativo ao niilismo. – 2. Partidário do niilismo.

Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural, 1998, Volume 17, Página 4214.

TÂNATOS
(Do grego THANATOS, morte) 1 – Na mitologia grega, a personificação da morte e o filho de Nix (Noite). Vivia no Hades, com seu irmão Hipnos (Sono). É geralmente representado como um vulto vestido de negro ou como um espírito alado.

Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural, 1998, Volume 23, Página 5577.

O personagem principal
Diferente de várias sagas nos quadrinhos que aproveitam o mesmo tema, ainda que o personagem mude, existe uma em que o personagem central teima em persistir e atravessa séries de personagens e 3 décadas!

Nestas séries o personagem principal torna-se um mero coadjuvante para um vilão que teima em crescer a cada aparição. A crescer como personagem e como ser humano fictício, evitando o mesmismo dos personagens que estão estagnados por décadas.

Certamente a saga deste personagem não seria possível sem o amor (ou obsessão, ou ainda limitação) de seu artista-criador: Jim Starlin.

A esta altura é fácil saber que falo de Thanos, o Titã, o deus-louco, o amante da morte, o niilista.

Criado como vilão para a série The Invencible Iron Man, 1º Volume; Thanos seria o responsável por uma invasão alienígena à Terra. Se o tema não era original, a saga definiu o conceito de cross-overs para a maneira como ficariam conhecidos na década de 1990, e isso em 1973!

Cross-overs é a ligação de histórias de séries diferentes onde normalmente os heróis enfrentam uma situação comum. Isso aconteceu muito em séries do Aranha e dos mutantes do Marvel, mais recentemente no Brasil tivemos a publicação de um famoso cross-over pela Panini Comics: Batman – Bruce Wayne, Fugitivo (2002). Da maneira como foi apresentada, já fica provado que alguma história podem ter mais importância para a trama que outras, que geralmente funcionam para delinear a situação para o leitor da série principal ou mesmo para aqueles que só compram as séries menores.

No nosso caso a grande concentração da saga publicado em Captain Marvel, 1º volume que tinha acabado de recuperar-se nas vendas logo depois que Jim Starlin assumiu a série e trocou o foco das tramas para um cenário mais “cósmico”. Starlin, que até então, havia sido apenas um talentoso artista de séries como The Master of Kung Fu e de histórias fechadas de vários títulos, teve carta branca para explorar “devidamente” o personagem Thanos que ele criou – junto com Mike Friedrich – para The Invencible Iron Man # 55 (publicado em A Saga de Thanos # 01, Editora Abril, 1992).

Nesta mesma aventura são introduzidos Drax, o Destruidor, Mentor, pai de Thanos e Isaac, o computador central de Titã. Com a destruição da base terrestre de Thanos pela dupla Homem de Ferro e Drax, acredita-se que o mal tenha sido eliminado.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…