Pular para o conteúdo principal

Príncipes das Trevas

O prólogo é na edição JSA #45 com data de capa de abril de 2.003 e o texto é David Goyer & Geoff Johns, lápis de Leonard Kirk e finais de Keith Champagne. O arco em si é da edição #46 a 51 e é o último trabalho com David Goyer que foi para o cinema e TV. Alguns de seus trabalhos são os roteiros da cine-série Blade (baseada no personagem da Marvel Comics), inclusive com a direção do último episódio e a série de TV Flashforward.

Nesta edição temos uma tentativa de julgamento do Kobra, que falha estrondosamente quando centenas de seguidores lançam um ultimato: liberdade para o Kobra ou morte dos seguidores. Eles cometeram suicídio com um aparato tecnológico implantado.

O vilão consegue fugir e isto provoca um racha na Sociedade. Esmaga-Átomo decide abandonar a equipe junto com Adão Negro.

Alex Montez – o curador do Museu da SJA – está injetando pedaços do diamante negro, que transformava Bruce Gordon no Eclipso, na corrente sanguínea. Seu objetivo é transformar-se em um herói para honrar a memória de sua prima, Yolanda (a Pantera II). Resta um último pedaço.

Decepcionado com o fato que Lyta na verdade era a Columba, as últimas barreiras de Hector caem e Mordru ocupa seu corpo. Na verdade a situação é mais complicado pois Mordru, um lorde do caos, está usando o corpo físico de Arion.

A edição seguinte – com arte de Sal Vellutto – é a típica história de situação ficar ainda pior: Mordru se mostra praticamente invencível, Manto Negro, que estava sendo influenciado há meses pelo lorde do caos, retorna para vingar-se de seu pai o Lanterna Verde Alan Scott e arranca seu coração, Jakeem Thunder não consegue emitir comandos por que o mago cortou suas cordas vocais, metade da SJA está ferida e no ambulatório da equipe eis que surge o Eclipso!

Bruce Gordon não resistiu a tentação e deixou-se dominar pelo diamante negro novamente.

Flash e Columba conseguem fazer frente à Eclipso que foge. Alex revela que o vilão é Bruce novamente descontrolado.

A única forma de contê-lo são os raios do sol, mas a união dos Príncipes das Trevas, Mordru (com o Coração Estelar - o coração de Alan), a força sombria de Manto Negro, a magia natural do caos e ordem (o corpo de Hector Hall, cujo corpo é filho de Rapina & Columba) e o diamante negro de Eclipso faz um eclipse que cobre o planeta!

A edição #48 é centrada na sobrevivência de Sideral e Billy Batson (o Capitão Marvel) enfrentando as ameaças do mundo sob eclipse e de várias personas do Sr. Destino tentando resgatar e preparar Hector para um confronto. Eles encontram Alan à beira da morte nos braços de Shade (ou Sombra, um vilão imortal regenerado da cronologia de Starman de James Robinson). Lembre que Sideral leva a herança heróica de dois personagens, o próprio Sideral, que fez parceria com Faixa na Era de Ouro e durante os anos 1.980 esteve envolvido com a Corporação Infinito e Jack Knight (o Starman da Era James Robinson).

Lembre-se também que Johns tentou várias vezes criar um interesse romântico entre Sideral e Marvel, afinal eles são pouco mais do quê pré adolescentes. Não sei se a idéia foi barrada a nível de editora, mas nos quadrinhos meses depois os heróis fundadores da SJA conversam com Marvel, que acreditam ser um adulto encantado pela menina Sideral.

Na seqüência temos remanescentes de várias equipes da Golden/Silver Age como Os 7 Soldados da Vitória – o evento 7 Soldados de Grant Morrison havia não havia acontecido – e os Combatentes da Liberdade auxiliando membros da SJA a enfrentarem pessoas dominadas pelas sombras. Montez se oferece para conter o poder das sombras de Eclipso.

Dr Oculto facilita o transporte de Poderosa, Columba e Mulher-Gavião para o Mundo das Jóias, onde as esperam Criança & Lasca. O objetivo é encontrar a alma de Arion, cujo corpo está sendo usado por Mordru.

Alex Montez consegue inverter a situação, derrotar o Eclipso no corpo de Bruce Gordon e roubar o diamante negro, tornando-se um novo Eclipso. Controlando o a sombra que eclipsava o sol acaba com este problema. Ficam então dois desafios: Manto Negro e Mordru.

No Mundo das Jóias as três integrantes libertam Arion, o mago da Atlântida para auxiliar na derrota de Mordru e preparando o terreno para algo que viria a seguir, o mago faz uma revelação à Poderosa.

Pausa.

Poderosa, assim como a SJA, é originária da Terra-2, um planeta onde os heróis surgiram entre 1.935/41. A heróina surgiu na década de 1.970 e era a versão da Terra-2 da Supergirl, a prima do Superman.

Com Crise o Multiverso acabou e a heróina permaneceu. A DC Comics decidiu criar uma nova origem. Disse que Karen Starr era, na verdade, neta de Arion que ficou em animação suspensa quando do declínio da civilização e acordou com falsas lembranças de um suposto parentesco com o Superman.

Após esta revelação Karen lentamente teve seus poderes e uniforme alterados – veja histórias da Liga da Justiça Europa publicadas no Brasil pela Editora Abril. Durante Zero Hora numa trama muito semelhante à uma que houve na Marvel Comics com os Vingadores e Miss Marvel a heróina chegou a ter um filho, fato cuidadosamente ignorado.

Os anos se passaram e Geoff Johns resgatou a personagem com o uniforme e características originais e pouco tempo antes deste arco, quando ela retornou para a SJA, o Dr. Meia-Noite revelou que seus poderes não derivavam de magia!

Play!

Arion revela à Poderosa que ele não é seu avô e que as memórias eram implantes!

Na Terra Jakeem recupera a fala graças a uma cirurgia do Dr. Meia-Noite orientada pelo Sr. Incrível e consegue fazer frente à Mordru com o Relâmpago, enquanto Alan Scott reavê o Coração Estelar e luta com Manto derrotando a influência maligna que assola o rapaz. Relâmpago leva o lorde do caos temporariamente para o ambiente líquido dentro da caneta.

Sand, que passou quase todo o arco transformado novamente em monstro de silício, ao ser informado que as placas tectônicas do planeta estão muito abaladas em função das mudanças provocadas misticamente na órbita da Lua, vai ao núcleo e aparentemente se sacrifica para corrigir o deslocamento.

Então Mordru se liberta da prisão em que foi posto com o Relâmpago e enfrenta sozinho o Sr. Destino e a SJA numa batalha mística. Hector mostra para o mago o futuro, as derrotas nas mãos da Legião dos Super-Heróis e consegue aprisioná-lo na Pedra da Eternidade – a rocha onde vive o mago Shazam!

Vitória e fim do arco.

Mas há um epílogo. Na Índia, Kobra e capturado por Esmaga-Átomo obedecendo ordens de Adão Negro. Esta equipe tem também o Onda Mental e Boreas.

Adão mata Kobra!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…