Pular para o conteúdo principal

Roubando a cena (Stealing Thunder)

Escrito por David Goyer & Geoff Johns, com arte de Leonard Kirk, finais de Keith Champagne, arte de prólogo por Peter Snejbjerg neste arco a história começa na edição #32 (prólogo) e continua até a edição #37.

A trama que já havia sido anunciada no JSA Secret Files & Origins #02 é simples e continua a tradição da ação, respeito à cronologia e revelância da família na série.

Na Era de Ouro a DC Comics criou um cientista chamado Ultra-Humanóide que transferia seu cérebro para outros corpos. Originalmente ele era vilão do Superman, mas ficou restrito ao antigo universo da Terra-2.

Ultra-Humanóide é razoavelmente conhecido no Brasil em função de um dos cross-overs clássicos entre Liga & Sociedade desenhado por George Pérez e publicado pela Ed Abril Jovem (aqui) e pela presença constante na série de TV Liga da Justiça & Liga da Justiça Sem Limites.

Um detalhe interessante: John Byrne, autor conhecido por The Uncanny X-Men e Homem de Aço, entre outros trabalhos, fez uma saga alternativa (ou seja não válida para a cronologia) chamada Gerações onde os heróis envelhecem na velocidade normal. Nesta história, repito alternativa e repito novamente não válida para a cronologia, ele faz com que o Ultra-Humanóide ocupe o corpo de Lex Luthor, explicando por que da transformação de amizade do jovem Lex por Superboy em ódio.

Mas na cronologia padrão nos anos 1.980 Ultra-Humanóide foi vilão constante em All-Star Squadron e Corporação Infinito e desde os anos 1.970 ele ocupa o corpo de um grande símio branco, formato em que é mais conhecido no Brasil.

Neste arco de Sociedade da Justiça, Ultra-Humanóide roubou o corpo de Johnny Thunder, o mestre original do Relâmpago, e apresentando-se como tal exige que Jakeem entregue o gênio a ele. De posse, obriga o gênio a realizar seus desejos.

No prólogo, Johns planta a semente da solução da confusa origem da Poderosa, quando Dr. Meia-Noite revela que os poderes da moça não são místicos.

Poderosa é a Supergirl da Terra-2. Quando o Multiverso terminou ela sobreviveu e a DC Comics tentou criar uma nova origem, misturando tudo e muito mais. Disse que ele era descendente de Arion, um mago da Atlântida, e que passou por implantes de memória. Durante algum tempo a editora tentou distanciar a imagem da personagem do Superman em séries como Liga da Justiça Europa e Birds of Prey. Na Liga da Justiça Europa ferida misticamente ela foi operada com o auxílio do Superman e teve seus poderes reduzidos, adotando em seguida um outro uniforme.

Johns a trouxe de volta à SJA – onde havia surgido nos anos 1970 – para arrumar sua origem, trama que se estenderia até o retorno do Multiverso em 2006/07.

Hector Hall, o Senhor Destino, acreditando estar sendo orientado por Nabu recebe a instrução de ir ao Mundo das Jóias para encontrar uma resposta para a cura de Lyta, ainda em coma. O Mundo das Jóias é o local onde Mordru assumiu uma forma física pela primeira vez. Este planeta é comum à cronologia de Ametista que teve a sua primeira série publicada no Brasil pela Abril quando adquiriu os direitos da DC em 1.984.

Esmaga-Átomo e Adão Negro se aproximam tornando-se amigos, ao mesmo tempo que Sand e Gavião Negro, estes afastados em função da concorrência pelo amor de Kendra. Aos poucos o assunto do rápido envolvimento de Kendra e Sand se tornaria nota de rodapé.

No primeiro capítulo vemos um sonho de Sand enfrentando o Barax Negro com arte de Keith Giffen emulando Jack Kirby, mas é apenas uma ambientação para descobrirmos que os heróis estão presos em animação suspensa e que Geada da Sociedade da Injustiça está auxiliando os heróis.

Juntos, Sand e Geada percebem que Ultra reconstruiu o mundo à sua imagem e semelhança e criou uma tropa de heróis sob seu controle. A dupla encontra com Jakeem e um núcleo da SJA formado por Homem-Hora (Rick Tyler, ex-membro da Corporação Infinito que se viciou na Pílula Milagro anos atrás, agora com o poder de ver um flashfoward de uma hora no futuro), Poderosa, Capitão Marvel e Vingadora Escarlate.

Claro que eles encontram uma maneira de quebrar o controle mental do Ultra-Humanóide. Basta quebrar um disco de controle semelhante ao do Controlador – um vilão da Marvel Comics, muito ligado à cronologia do Homem de Ferro e Capitão Marvel.

O vilão está se divertindo mantendo o Lanterna Verde prisioneiro e absorvendo a energia verde para manter os outros heróis em suas celas.

Pantera está preso com Hector, que teme que ao se transformar em Sr. Destino, no breve momento em que fica com as barreiras mentais frágeis possa servir de alvo para o controle mental de Ultra. Assim, desde que Ultra assumiu o mundo ele tem passados por treinamentos mentais.

Pantera consegue facilitar a fuga, levando consigo Hector no mesmo momento em que o núcleo da SJA inicia um ataque que consegue ser bem sucedido e libertar vários heróis, ainda que receba um contra-ataque direto do vilão.

Tyler então usa o segundo brinde que o Homem-Hora andróide deixou com ele (o primeiro foi o flashfoward) e vai para uma dimensão onde seu pai está presente durante uma hora.



Rex Tyler, o Homem-Hora original, está nesta dimensão e após uma hora retornará ao momento em que morreu com o pescoço quebrado nas mãos de Extemporâneo, durante o evento Zero Hora.

No decorrer desta hora poderá ter contato com o filho, que tem acesso à dimensão, e poderá aconselhá-lo, o quê faz neste momento, sugerindo uma estratégia para eliminar o problema.

Com o auxílio de vestígios da personalidade de Johnny – Ultra-Humanóide estaria apenas o controlando e não verdadeiramente trocou de cérebro com ele – eles conseguem derrotar o vilão ao custo da vida do antigo guardião do Relâmpago.

Apesar de deixar claro que não pode ressuscitar ninguém, Relâmpago, já de retorno ao controle de Jakeem se funde com os vestígios de Johnny – já morto – e assume uma forma intermediária, que lentamente iria perdendo até retornar ao formato tradicional. Era uma maneira de fazer se acostumar com a perda.

O verdadeiro esconderijo do Ultra-Humanóide é localizado e o vilão derrotado, dando a entender que o cérebro dele foi destruído. A história é de 2002 e até o momento não houve novas tramas com Ultra.

Jakeem ordena ao Relâmpago que desfaça todos os desejos que Ultra-Humanóide realizou. Desfeitos os desejos mas a comunidade dos heróis continua com a lembrança dos acontecimentos.

Mais um arco completo.



Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…