Pular para o conteúdo principal

Project SuperPowers

Não creio que ninguém atualmente conteste o talento de Alex Ross como pintor e roteirista. Atualmente ele está na Dinamyte Entertaiment produzindo séries para a Marvel Comics - nem me pergunte.

Fez Vingadores/Invasores – uma história sobre viagem no tempo, já publicado por aqui, fez O Tocha – uma série que retoma o personagem original, Centelha e Visão original e na seqüência está produzindo uma nova série para Os Invasores, ainda não adequadamente anunciada.

Entre 2008/2009 trabalhou com Geoff Johns no longo arco O reino do amanhã para a série Justice Society of America v3, com direito a participação nos roteiros, lay-out e edições especiais com sua arte.


Mas existe uma série chamada Project SuperPowers que foi publicada em 2008 pela Dinamyte que as editoras-tradutoras estão esquecendo. Certamente o fazem em função das vendas que só fazem cair. Recentemente, inclusive a Mythos anunciou que a série Júlia/As aventuras de uma criminóloga será cancelada em breve. Acho que do material da Sérgio Bonelli Editore só fica restando as inúmeras séries de Tex e Mágico Vento. Este último já tem final anunciado na Itália, é um sucesso de crítica e deve resistir até o fim, pouco mais do que cem números.

Mas Project SuperPowers tem a assinatura de Alex Ross e sua trama fala sobre heróis da Era de Ouro que ficarão presos em uma dimensão mística por um ato de traição e retornaram ao mundo atual.

Ross utilizou heróis cujos direitos autorais expiraram e encontravam-se à disposição de quem quisesse os utilizar. Alguns personagens já haviam utilizados por Alan Moore no selo ABC (Wildstorm/DC), mas agora eles são personagem principais na trama.

Quem gostou do material de Ross produzido no parceria Marvel/Dinamyte e gosta de personagens da Era de Ouro vai gostar.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…