Pular para o conteúdo principal

O retorno do Gavião Negro

Com prelúdio na edição #22 de JSA, a trama oficialmente se desenrola nas edições 23-25 da série. O texto é de David Goyer & Geoff Johns, a arte de Rags Morales, Buzz e Sadowski (desenhista do arco em si) e com final de vários.

Há alguns anos em 1.994, durante o evento Zero Hora, a Mulher Gavião (Shiera Saunders Hall), o Gavião Negro (Carter Hall) e o alienígena thanagariano Katar Hol (também com o apelido de Gavião Negro) se fundiram a um deus-falcão.

A Mulher Gavião morreu no processo e Katar começou a agir como Gavião Negro. Os roteiristas que já tinham uma Mulher-Gavião nas séries Hawkworld volume 2 & Hawkman volume 3 se livraram da heróina e fundiram Katar – Carter e o deus-gavião.


Infelizmente era uma época de histórias fortes desnecessárias. Katar tornou-se muito impopular e teve sua série cancelada.

Gavião Negro, um dos personagens mais antigos da DC Comics, ficou anos no que chamamos de limbo editorial sem novas histórias para sustentar sua própria lenda.

A história deste arco é simples. Enquanto Kendra refuta ser a reencarnação da amada de Gavião Negro, descobre que tem um papel importante na reencarnação de Carter Hall ela é transportada para Thanagar na estrela Polaris para auxiliar neste processo.

E enquanto às memórias da moça a explicação mais aceita hoje pelos leitores é que a tentativa de suicídio de Kendra atrapalhou a reencarnação de Shiera, deixando-a com memórias distorcidas da Mulher-Gavião original – a Hawkgirl, lembre-se que a Hawkwoman é Shayera Thal da série Hawkworld.

Até a conclusão da série A noite mais densa era aceito de um modo geral que Kendra Saunders não era a reencarnação de sua tia-avô. Como Carter e Kendra são personagens centrais da série quinzenal O dia mais claro, acredita-se que possa haver alguma mudança de status durante a série.

A história – primeira da série SJA a ser publicada no Brasil, mas não a primeira com a equipe já que a edição do evento Mundos em Guerra já havia sido publicada pela Ed. Abril – é dividida entre a coleta de informações de Sand sobre Kendra, as reflexões da própria com Zauriel – um anjo – e a simpatia da equipe por sua dor. Porém, ao final a garota é transportada para Thanagar.

Na parte inferior das páginas Flash, no passado, recebe informações de Nabu (Sr. Destino), Teth Adam (Adão Negro) e Khufu (Gavião Negro) e descobre que o herói irá retornar.

Veja que não há complicações demasiadas. A presença de Teth Adam no passado com Khufu e Nabu facilita que Adão Negro seja aceito no presente. A versão de que ele era vilão em função do descendente ruim (Theo Adam) passa a ser muito viável. Mas devemos refletir o seguinte: matar na época de Khufu era uma solução bastante razoável e talvez Adão Negro seja justo, realmente; mas ainda seja um “super vigilante do tipo de justiça com as próprias mãos”.

A visita de Flash faz com que se estabeleça a mitologia mais comum do Gavião Negro: faraó que teve acesso à tecnologia extraterrestre e o contato com um tipo específico de metal (o metal enésimo) faz com que sua alma e de sua amada continue reencarnando na Terra ao longo dos séculos. Com a reencarnação vem uma maldição: o casal morreria nas mãos de um sacerdote maligno que também passaria pelo mesmo processo, sendo sempre o responsável pela morte dos Campeões Alados.

Na edição seguinte também se confirmar de Paran Katar – pai de Katar – realmente esteve na Terra como espião e fez ligações com o Gavião Negro, confirmando eventos de Hawkworld Annual #01, já publicado no Brasil. De um modo geral neste anual descobre-se que Paran esteve na Terra no início da década de 1.940 e influenciou na pesquisa de Carter Hall sobre um metal com propriedades para anular a gravidade – o metal enésimo.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…