Pular para o conteúdo principal

Escolhas erradas III

Enquanto se preparava para o evento Crise Infinita – algo que durou doze meses entre a preparação e o evento em si – e após, quando consolidava as mudanças inseridas, a DC Comics preferiu não tocar muito no assunto Jason Todd/Capuz Vermelho, exceção feita ao anual que “explicava” o retorno do personagem.

Todd retornou numa polêmica série semanal chamada “Contagem Regressiva”.

Polêmica de ruim!

Ruim até a última gota de nanquim!

Na trama, Todd se une a Donna Troy, Kyle Rayner e outros numa busca por Ray Palmer, o Elektron, no Multiverso. Apesar de seu temperamento forte, Jason poderia ser descrito na série, no máximo, como um anti-herói e ranzinza, criando uma ou outra situação de escolhas difíceis, mas ainda assim, um anti-herói, não um vigilante e muito menos um vilão.

Terminada Contagem Regressiva começou Crise Final que durou oito meses, onde ao final Batman “morre”.

Todd decide então tornar-se um Batman que usa armas e mata, tornando-se definitivamente um vilão.

De parceiro morto e maior símbolo de falha de Batman – trama plantada em Cavaleiro das Trevas de Frank Miller -, Jason Todd tornou-se símbolo de uma trama longa de qualidade duvidosa e dos rumos da DC Comics nos anos 2.000.

O curioso é que individualmente os arcos “Morte em Família” e “Under the Red Hood” são leituras agradáveis. Somando-as e cimentando com a pesada cronologia da DC Comics a coisa fica desagradável.

Como o filme não aborda a bobagem de ondas de choques de realidade e nem faz o expectador sentir-se confortável diante uma situação imutável – a morte de um personagem anos antes -, resumindo isto rapidamente é melhor assistir ao filme do que ler o arco no papel.

E... bons sonhos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…